ÁsiaHakoneHiroshimaJapãoKamakuraKyotoMiyajimaNaraNikkoOsakaRoteirosTokyoYokohama

Roteiro: Japão em 15 dias

Se tem um lugar que eu volto sempre que tiver oportunidade, esse lugar é o Japão. Passei 3 meses lá em um programa de trabalho temporário e depois de alguns anos voltei duas vezes para passear. Apesar de já ter visto muita coisa, o país do sol nascente ainda se mantém na minha lista de lugares a visitar.

Veja abaixo uma sugestão de roteiro para uma viagem de 15 dias, mas antes disso algumas dicas para te ajudar a planejar.

Se você ainda não leu, veja o post 10 coisas que você precisa saber antes de ir para o Japão, lá tem algumas dicas bacanas que falam principalmente do choque cultural. Além disso, alguns outros fatores são importantes no planejamento da sua viagem. Você já definiu qual a época vai? Diferente do Brasil, o Japão possui as estações bem definidas. O inverno é realmente frio e uma boa época para quem quer esquiar ou conhecer as esculturas de gelo de Hokkaido, já o verão é quente, úmido e chove bastante, mas é a temporada em que abrem as trilhas para escalar o Monte Fuji. A primavera é uma ótima escolha, quando as famosas flores de cerejeira desabrocham, e o outono é colorido pelas árvores avermelhadas, as paisagens ficam lindas.

Dica importante: para esse tipo de viagem com várias cidades em um período de tempo relativamente curto o JR Pass vale muito a pena. A primeira vista ele não é barato, mas mesmo assim vai te economizar dinheiro se comparar com a soma de todos os trajetos separados. Compre antes de sair do Brasil, pois ele só é vendido para turistas (com visto de turista) e fora do Japão, podendo valer por 7, 14 ou 21 dias. Chegando em terras nipônicas, troque seu voucher do JR Pass pelo próprio JR Pass. O roteiro que está abaixo tem Tokyo como última parada, mas ele pode ser feito ao contrário também. Avalie o que é melhor para você.

Outra dica: o quanto você gosta de compras e o quanto isso vai impactar no peso da sua mala? É muito comum no Japão um serviço chamado takyubin. Funciona assim: você leva suas malas até um local que faz esse serviço (é comum e provavelmente a recepção do seu hotel ou hostel vai ter), preenche um formulário (em japonês, peça ajuda), paga uma taxa (que varia conforme a quantidade de volumes e a distância) e diz tchau para suas malas. Ela será entregue no local especificado em 1 ou 2 dias. Isso significa que você pode deixar para fazer a maior parte das suas compras em Tokyo (onde você vai achar praticamente tudo), encher suas malas e despachá-las até o aeroporto, ou seja, nada de carregar malas pesadas dentro do trem (ou qualquer outro meio de transporte). Lembre-se de fazer isso 2 ou 3 dias antes do seu vôo (pergunte o prazo na recepção do seu hotel ou hostel) para não correr o risco de voar sem a bagagem (japoneses são hiper pontuais e dificilmente atrasam a entrega. Pode confiar no serviço). Separe uma malinha pequena com as coisas que vai precisar nesses últimos dias e é só isso que você vai carregar no caminho até o aeroporto. Chegando lá, procure o local de retirada, pegue suas malas e como você vai fazer isso antes do check in, ainda dá tempo de organizar as bagagens e colocar aquele pote de shampoo e o barbeador que ficou na malinha menor dentro da mala que vai ser despachada e não correr o risco de perder esses itens. Esse serviço funciona no país inteiro, mas é óbvio que se você fizer isso de um lugar longe vai sair mais caro e demorar mais, portanto Tokyo é o lugar ideal.

Então vamos ao que interessa: o roteiro!

 

Dia 1 e 2: Deslocamento

O Japão fica do outro lado do mundo e a viagem até lá é longa. São cerca de 25 horas de vôo,  o que pode variar de acordo com a cia aérea e conexões que forem feitas. Não existem vôos diretos e os caminhos podem ser via Estados Unidos, Europa, Oriente Médio ou África. Uma ideia para ser menos cansativo é parar em outro país no caminho por 2 ou 3 dias, se sua agenda permitir. Some às horas de vôo mais 12 horas que serão perdidas devido ao fuso 🙁

Quando trocar seu JR Pass já pergunte sobre o shinkansen (trem-bala) que vai para Hiroshima e siga para o sul do país. Sei que a viagem de avião já foi longa e cansativa e agora ainda tem mais algumas horas de trem, mas depois o único trajeto longo vai ser de volta para casa.

Provavelmente você vai chegar em Hiroshima no final do dia ou já a noite. Aproveite para descansar para aproveitar o dia seguinte.

 

Dia 3: Hiroshima

Garanta sua hospedagem em Hiroshima por 2 noites, pois essa será a cidade base para a região.

Comece a conhecer os pontos turísticos do Japão pelo Parque da Paz. É um local público (ou seja, de graça) e cheio de monumentos sobre a bomba atômica da II GM e que pedem pela paz mundial. Há também um museu (esse pago) que reúne imagens, maquetes, vídeos e documentos sobre a mesma época. É triste e bonito ao mesmo tempo. Vale a visita.

Está gostando desse artigo? Que tal curtir o Bagagem de Memórias no Facebook?


Hora de relaxar e ver algo mais light. Não longe dali fica o Shukkeien Gardens, um jardim japonês lindo, ótimo lugar para um passeio e para fotos. Outro lugar que você não pode deixar de ir é o Castelo de Hiroshima, para conhecer um pouco da história do país na época dos samurais.

O prato típico de Hiroshima é o okonomiyaki, uma panqueca japonesa feita na chapa. Você vai encontrar esse mesmo prato por todo o país, mas nenhum deles se compara ao da cidade.

A-bomb Dome, prédio destruído pela bomba atômica, em Hiroshima
A-bomb Dome, prédio destruído pela bomba atômica, em Hiroshima

 

Dia 4: Miyajima

Miyajima é uma ilha que fica próxima a Hiroshima e dá para fazer um bate-volta. Para chegar é preciso pegar um trem e depois um ferry (o JR Pass cobre todo esse trajeto).

Se você fez uma rápida pesquisa sobre o Japão, com certeza você já viu alguma foto do famoso toori, um portal sagrado que fica na água. Aproveite o passeio para dar uma volta no Santuário de Itsukushima e também suba o Monte Misen, o lugar mais importante de Miyajima. Existem várias trilhas e também um teleférico (pago a parte) que te deixa lá em cima. A vista é bem bonita, se você tiver sorte com o tempo (eu não tive).

Passe pelo centro comercial da ilha, cheio de lojinhas com souvenirs e doces. Há ainda outros pontos que podem ser visitados, mas esses são os principais.

Toori sobre a água em Miyajima

 

Dia 5, 6 e 7: Kyoto

Existem dois lugares que não podem ficar fora do seu roteiro e um dele é Kyoto (o outro é Tokyo). Faça seu check-out em Hiroshima cedinho e pegue o shinkansen para Kyoto (use o JR Pass). A estação central de Kyoto é enorme e super moderna, um grande contraste com a cidade que reúne a cultura e tradição do Japão.

Kyoto tem muitos templos e santuários. Muitos mesmo e você não vai conseguir ver todos em 3 dias (talvez nem em um ano inteiro isso seja possível). Alguns são no meio da cidade, outros mais afastados, tem de tudo! Os principais eu citei no post Templos de Kyoto. Outro ponto alto da cidade são as geixas e todo seu mistério, que também falei sobre no post A Tradicional cidade de Kyoto.

Reserve um tempinho para conhecer a estação de trem (de preferência não na chegada nem na saída, para não ficar carregando as malas). É quase um shopping e conta com lojas, restaurantes e uma infinidade de coisas. O centro da cidade também está cheio de lojinhas de decoração, artesanato, comidas, souvenirs, templos etc. Que tal ter um dia de maiko? Veja o post em que falo dessa experiência.

Kinkaku-ji, o templo dourado, Kyoto
Kinkaku-ji, o templo dourado, em Kyoto

 

Dia 8: Nara e Osaka

Mantenha Kyoto como base para visitar essas duas cidades. Logo pela manhã vá para Nara, são poucos minutos de trem (JR Pass de novo). O que você precisa visitar é o Nara Park, um parque com templos bem bonitos e cheio de cervos que andam livremente. O parque é grandinho, mas uma manhã é suficiente para fazer o principal.

De Nara, siga para Osaka. A cidade é grande, é a segunda maior do Japão, e no restante do dia dá para conhecer o Castelo de Osaka, o principal ponto turístico da cidade, que sofreu com guerras e incêndios e hoje é um museu. Um lado mais moderno é o Umeda Sky, com seu elevador panorâmico de alta velocidade até o observatório, de onde se tem uma bela vista da cidade. Uma das ruas mais conhecidas é a Dotombori, famosa por seus restaurantes e vida noturna. Aproveite para jantar por lá, antes de voltar para Kyoto. Se tiver com a agenda mais folgada, dedique mais um dia para Osaka.

Castelo de Osaka
Castelo de Osaka

 

Dia 9: Hakone

Mais uma vez chega a hora de fazer check-out e a próxima parada é Hakone. O forte da região é ficar hospedado em um ryokan, que são hotéis tipicamente japoneses, o que significa dormir em tatami e ir para o onsen (banho quente coletivo), em que todos ficam imersos na água para relaxar e desestressar. Geralmente há uma divisão de homens e mulheres e é preciso entrar na água sem roupa (não pode sunga nem biquini). Verifique como chegar, pois a região é cheia de subidas e descidas e o meio de transporte local é o cablecar. Outra opção é já se hospedar em Tokyo, pois Hakone fica há menos de 1 hora de shinkansen da capital.

Hakone fica aos pés do Monte Fuji, o ícone mais conhecido do Japão. Seria uma pena ir até lá e não apreciar toda sua simetria, mas isso é bem possível se você tiver azar com o tempo. Cruze os dedos! Em dias muito encobertos não é possível ver o Fuji-san (é assim que os japoneses o chamam), então torça para que o dia esteja bonito!

Owakudani é a região mais conhecida, famosa por seus ovos pretos e com belas vistas do Fuji. De lá também partem passeios de barco pelo Lago Ashi. Uma visita ao Hakone Open Air Museum também é bem interessante!

Se tiver mais uns 2 ou 3 dias dá para escalar o Monte Fuji. A subida é bem puxada e um bom preparo é fundamental. Você vai precisar de um dia inteiro entre subida, descida, paradas para descanso e deslocamentos e o percurso começa a noite. Vale lembrar que as trilhas só abrem no verão (julho e agosto).

Monte Fuji visto de Hakone
Monte Fuji visto de Hakone

 

Dias 10 a 14: Tokyo

Se você ficou hospedado em Hakone, chega hora de ir para Tokyo. Se já estiver em Tokyo, é hora de explorar a cidade e seus arredores. Há muito o que fazer na capital e também muitas coisas próximas. Talvez 5 dias seja pouco tempo para tudo, então veja o que acha mais interessante.

Leia também: O que fazer em Tokyo

Tokyo é grande (a maior cidade do país), mas muito bem servida pelo transporte público. É possível fazer tudo usando trens, metrôs e a sola do seu sapato. Mais uma vez, o JR Pass vai te ajudar a se locomover pelo local.

A capital guarda alguns bairros bem peculiares como Akihabara (o bairro dos eletrônicos), Shinjuku (o centro financeiro), Shibuya (com um dos cruzamentos mais famosos do mundo e um grande centro de compras), Ginza (o bairro chique e sofisticado de Tokyo), Harajuku (com pessoas vestidas de forma um tanto quanto alternativa), e por ai vai.

Não deixe de visitar o Parque Ueno, cheio de sakuras (flores de cerejeira) durante a primavera e onde você encontra o zoológico e o Museu Nacional de Tokyo, entre outras atrações. Outro ponto que é parada obrigatória é o Palácio Imperial e a Ponte Nijubashi, um lado mais tradicional e histórico da cidade. Um dos locais mais conhecidos é a Tokyo Tower, em que você pode subir e ter belas vistas da capital nipônica. Vistas aéreas também são boas em Roppongi Hills e com sorte dá até para ver o Monte Fuji lá longe, e o Sky Tree, arranha-céu inaugurado há poucos anos.

Ainda merecem visita a região de Asakusa, com o templo Sensoji, o famoso mercado de peixes de Tokyo, Tsukiji Fish Market, e a região de Odaiba, ilha futurista cheia de exposições e tecnologia, ligada à cidade pela Raibow Bridge (também tem acesso de barco).

Há muitas outras coisas para fazer em Tokyo, essas são algumas opções e os principais highlights. Dentro das estações de metrô e trem existe uma outra cidade, é muito fácil se perder por lá. Ali você encontra uma infinidade de lojinhas de souvenirs e de doces, além de restaurantes com preço bem acessível e serviço rápido. Uma boa opção para almoçar rapidinho e curtir os atrativos da cidade. Deixe uma refeição que demora mais para a janta.

Odaiba, Tokyo
A futurista Odaiba, em Tokyo

 

Ufa! E ainda não acabou… Nos arredores de Tokyo tem algumas cidades interessantes em que você pode fazer um bate-volta (adivinha? De trem e usando o JR Pass). Veja algumas opções:

Kamakura –  essa cidadezinha fica também perto de Tokyo e é famosa pelo daibutsu, um buda gigante de mais de 13m feito de cobre. Muitos outros templos e santuários são encontrados por lá, inclusive um dedicado à proteção das crianças e outro com um lindo jardim de bambus. É um passeio de dia inteiro, mas dá para jantar em Tokyo.

Nikko – a principal atração do local é o Toshogu, um templo de madeira todo esculpido por artesãos, riquíssimo em detalhes por todos os lados em que você olhar. A famosa Shinkyo Bridge fica lá perto. Esse também é um passeio de dia inteiro.

Yokohama – essa é a segunda maior cidade do Japão e fica pertinho de Tokyo, menos de 1 hora. Tire um dia inteiro para conhecer a cidade (ou parte dela). O aquário de Yokohama vale a visita, assim como o museu do ramen (um prato típico japonês). A famosa roda gigante que aparece em muitas fotos do Japão fica lá, deixe para dar uma volta no fim do dia para ver a cidade iluminada lá de cima.

Daibutsu, o buda gigante de Kamakura
Daibutsu, o buda gigante de Kamakura

 

Dia 15:  Retorno

E chega a hora de voltar 🙁 . Da cidade é fácil chegar no aeroporto de trem ou vans fretadas. A forma mais barata é o shuttle bus (Keisei  ou The Access Narita) que parte de Ginza e Tokyo Station. Lembre que se tiver com muita bagagem dá para usar o takyubin.

 

Tudo que é bom passa muito rápido, mas tenho certeza que essa viagem vai deixar ótimas memórias na bagagem! Se você prefere uma viagem mais estilo slow travel, escolha apenas alguns lugares ou fique mais que 15 dias.

 

Onde se hospedar no Japão

Vou deixar aqui algumas dicas de lugares para ficar durante sua visita ao Japão.

Em Tokyo: Tokyo Ginza Bay Hotel (hotel cápsula), Khaosan World Asakusa Ryokan & Hostel (hostel) e The B Tokyo Asakusa (3 estrelas).

Em Kyoto: The Millennials Kyoto (hotel cápsula), Khaosan Kyoto Guesthouse (hostel) e Rinn Gion Kenninji (3 estrelas).

Em Hiroshima: Sejour Inn Capsule (hotel cápsula), Hostel Mallika (hostel) e Hotel Granvia Hiroshima (3 estrelas).

 

Veja também os outros posts sobre o Japão aqui.

 

Dicas, dúvidas ou sugestões? Deixe aqui nos comentários!

 

 

Leia mais:

10 coisas que você precisa saber antes de ir para o Japão

Hora de planejar a viagem

Como economizar durante uma viagem?

Free walking tour nas principais cidades do mundo

10 dicas para passagem aérea barata

 

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Amante da natureza, de aventuras, da cultura asiática e de causas sociais, reside em São Paulo, mas já morou no Japão, na Austrália e no Chile, já deu uma volta ao mundo e está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

32 Comments

  1. Lucas Fázecas
    28/05/2015 at 01:54 — Responder

    Oi Patrícia!
    Amo seus posts, já até deixei sua página salva na minha homepage hahah
    Estou me preparando para o exame de bolsa-graduação do MEXT para tornar meu sonho de ir ao Japão realidade e ainda conciliar com o estudos, então sempre acompanho seus posts para saber o máximo possível dessa cultura tão maravilhosa!
    Que tenha muitas outras ótimas viagens e continue com esse seu excelente hobby!
    ?????????

    • 28/05/2015 at 17:59 — Responder

      Lucas,

      Que demais!! Confesso que sempre que vejo a divulgação das bolsas de estudo para o Japão me dá uma coceirinha. Já cheguei a ir em palestras de orientação, mas na época meu currículo não se encaixava nas vagas.

      Boa sorte no processo. Gambatte ne ^^v
      Você vai amar o país! E muito bom saber que estou te ajudando!

  2. 30/07/2015 at 12:11 — Responder

    Olá Patrícia,

    Muito obrigado por compartilhara essas dicas incríveis com todos. Eu também tenho paixão por viajar e estou montando um site de viagens ! Chama The Explorer e vai para o ar logo logo….
    Eu estou indo para o Japão em Dezembro. Queria perguntar – fora de Tokyo, em Kyoto, Osaka, e Nara, dá para se virar com inglês ? Ou é na base da mímica rs. E também o frio … vi que tem uns passeios para uma ilha, é possível fazer no inverno ? E para se hospedar, recomenda algum hotel ? Se puder queria falar com você no face… obrigado !
    Natan

    • 30/07/2015 at 13:49 — Responder

      Oi Natan!

      Não conte muito com o inglês no Japão, mesmo em cidades grandes. Em alguns lugares eles até arriscam (tipo, lugares super turísticos), mas no geral eles não entendem muito bem e muito menos falam o idioma.
      De qual ilha vc está falando? O Japão tem muitas ilhas…
      Hospedagem, depende do tipo que vc quer e da cidade que vc procura.
      Pode me mandar mensagem no face.

  3. Louise
    09/04/2016 at 02:58 — Responder

    Oi Patricia, tudo bem?

    Obrigada pelos posts e dicas, sao muito uteis e de otimo conteudo! Atualmente, moro em Perth (AUS), e estou programando a proxima viagem para o Japao durante o outono deste ano (outubro). Gostaria de saber se voce considera vantajoso alugar um carro ou o JR Pass ainda eh a melhor opcao? Entrei no site e achei bastante confuso, e os precos elevados se comparado com o aluguel de carro. Alem disso, gostaria de saber o que pensa sobre adicionar Kagoshima no roteiro. Obrigada!

    Louise Monteiro

    • 09/04/2016 at 16:18 — Responder

      Oi Louise!

      Depende muito do seu roteiro. Se vc for seguir essa sugestão, acho que o JR Pass vale mais a pena. O trem vai ser mais rápido que ir pela estrada.
      O site realmente é um pouco confuso, pois existem diferentes linhas em cada região, mas o JR Pass cobre praticamente todas as linhas JR, o que dá para percorrer o país todo. O valor é um pouco alto mesmo, mas o Japão também não é um país barato. Se for usar distâncias longas, vale a pena sim, sai mais barato que comprar os bilhetes separados, sem contar a economia de tempo.

      Não conheço Kagoshima, mas se vc acha um lugar interessante para ir, por que não??

  4. 27/04/2016 at 20:32 — Responder

    excelente post.Meu marido tem muita vontade de conhecer o Japão mas acho que tem outros países para visitarmos primeiro.Esse post me animou !

    • 25/05/2016 at 10:15 — Responder

      Lilian,
      O Japão é demais! Quando tiver oportunidade, não deixe de conhecê-lo.

  5. Cla
    05/09/2016 at 14:35 — Responder

    Se eu tiver mais dias (digamos 21), em quais dessas cidade vale a pena entender a estadia? E quantos dias em cada?
    E o contrário, se der pra ficar apenas os 15 dias, mas eu preferir conhecer melhor menos cidades… quais seriam preferível “cortar”?

    • 06/09/2016 at 02:19 — Responder

      Oi Cla!

      Se tiver mais dias, recomendo estender o tempo em Tokyo para conhecer as cidades próximas ou conhecer outras regiões como Okinawa ou Hokkaido.
      As principais cidades são Tokyo e Kyoto, portanto se precisar cortar tiraria Hakone do roteiro, depois Nara e Osaka, depois Miyajima. Hiroshima eu acho bem válida a visita pela história da bomba atômica.

      Essas decisões são bem pessoais. Depende muito do que vc gosta de fazer e do seu objetivo ao conhecer o país.

      bjo

  6. Emerson
    11/11/2016 at 11:43 — Responder

    Perguntas sobre o JP
    Olá!
    Comprei a passagem pro Japão para 2017, abril.
    Vou narrar um pouco meu roteiro.
    Pesquisei bastante e gostei muito do roteiro indicado no site japan-guide.com para 13 dias e 12 noites no JP.

    Chegada prevista no JP: 22 de abril, sábado, às 13:55

    Dia 23, 24, 25 e 26 serão dedicados a Tóquio.
    O que eu estou pensando em fazer é o seguinte:
    Encontrei alguns tours interessantes no site japanican.com. Quero fazer quatro tours, cada um em cada um desses 4 dias dedicados a Tóquio:

    1) 1-Day Nikko World Heritage Tour 
    2) 1-Day Hidden Kamakura & Enoshima Bay Drive Tour
    3) Dynamic Tokyo: 1 dia inteiro dedicado a explorar os principais pontos de Tóquio – Tokyo Tower, The Imperial Palace, Sumida River Cruise e Sensoji Temple
    4) Mt. Fuji & Hakone Tour

    Em seguida, no quinto dia, 27, pretendo ir para Kyoto pela manhã de trem bala. Ficarei lá dias 27,28,29,30 e 1,
    Esse mesmo site oferece alguns tours interessantes.

    No próprio dia 27, pensei em fazer um Tour por Nara de tarde, que é possível comprar pelo próprio site. 
    5) Nara Afternoon Tour

    No Dia 28, me interessei por uma tour inteira em Kyoto, ”1-Day Kyoto Tour”. O intinerário é composto por visitas aos principais castelos e templos.

    Dia 29 também é possível reservar um tour partindo de Osaka, que leva o dia todo.

    Dias 30 de abril e 01 de maio, pensei em fazer de forma autônoma, sem tours, o que o próprio site indica: Eastern Kyoto Full Day (explorar o lado leste de Quioto sozinho, caminhando ou de bicicleta, durante todo um dia) e Arashiyama Full Day (explorar os principais locais em Arashiyama de bicicleta, sozinho).

    No Dia 02, a proposta seria ir de Kyoto até Hiroshima logo cedo, de trem-bala. 
    Ainda nesse mesmo dia, pretendo visitar o Hiroshima Peace Park e talvez o Hiroshima Carp Castle e o Shukkein garden. Dormiria em Hiroshima.

    Dia 03, passearia por Miyajima e voltaria para dormir em Hiroshima.

    Dia 04, logo cedo, iria de Hiroshima para Himeji, passeando pelo castelo durante manhã e um pedaço da tarde.
    De tarde, voltaria para Tóquio de trem-bala também para dormir em um hostel em Akihabara.

    No Dia 05, penúltimo dia, gostaria de deixar inteiramente livre para passear pelo bairro Akihabara e ver um pouco de cultura nerd e eletrônicos. 

    Dia 06, retornaria ao Brasil, deixando Tóquio.

    As escalas serão em Dallas, EUA, tanto na ida quanto na volta. Tenho o visto americano.

    Tenho duas principais perguntas, principalmente pra quem foi:
    1) O que acha do roteiro, como um todo? É plausível? Segui recomendações do site japan-guide.com
    2) Você acha possível passear / se locomover / visitar diversas atrações no Japão sem guia e/ou sem comprar tours, fazendo tudo de forma autônoma e me informando através do Google maps e/ou pessoas locais e turistas? Não sei se perceberam, mas a primeira parte do roteiro é mais voltado a tours e a segunda parte seria mais autônoma.
    Eu li no site TripAdvisor e em outros sites que é perfeitamente possível passear pelo Japão sem guias e sem tours. Há quem prefira e quem recomende essa modalidade de viagem, inclusive. Meu receio é não ter tempo suficiente de ver tudo, principalmente em Tóquio, ou me perder facilmente e acabar perdendo tempo. Afinal, não é todo dia que vou para o JP, não é mesmo?

    Grato desde já pela atenção!

    • 14/11/2016 at 18:37 — Responder

      Oi Emerson,

      O japan guide é um ótimo site. Esse roteiro é bem corrido, mas viável.
      Vc tem 2 dias em Tokyo, o que é bem pouco. Bate-volta pra Hakone tbm é pouco tempo no lugar.
      Mais uma vez, é viável, mas o tempo vai ser bem apertado e é bem provável que vc não consiga aproveitar tudo que o lugar oferece.
      Ai é uma decisão sua de fazer mais coisas correndo ou menos coisas com calma.

      Eu estive no Japão algumas vezes e nunca contratei um tour ou guia. Não sei te informar como eles são.
      É sim, perfeitamente possível fazer tudo por conta usando transporte público.
      Eu considero que me perder de vez em quando não seja perder tempo, mas me dar a chance de conhecer algo novo. Mas essa é a minha interpretação.
      Como seu tempo está bem apertado, tours podem ser uma boa opção. Mas se quiser fazer sozinho usando o Google maps e pedindo informações, tenho certeza que irá aproveitar bastante tbm.

  7. ana
    12/01/2017 at 16:07 — Responder

    desculpe, mas não entendi qual foi a cidade do japão que seu voo chegou… não fala em nenhum lugar do post… vc foi e voltou por tokio?

    • 12/01/2017 at 19:46 — Responder

      Oi Ana!

      Isso, cheguei em Narita (Tokyo) e peguei o shinkansen para Hiroshima. Na volta, sai do país pelo mesmo aeroporto.

  8. Heloise Dantas
    28/02/2017 at 17:13 — Responder

    Olá! Quais hotéis você ficou nesses dias? Poderia me indicar?
    Obrigada!

    • 01/03/2017 at 16:57 — Responder

      Heloise,

      Hotéis são uma escolha bastante pessoal. Depende de quanto conforto vc quer e do seu budget, além de outros fatores.
      Se puder me passar mais informações, posso te ajudar. Pode responder aqui ou me mandar um email.

      Eu uso muito o booking para fazer reservas. Pode usar este link tbm – http://www.booking.com/?aid=373538

  9. Lucio
    19/04/2017 at 10:40 — Responder

    Oi Patricia,
    achei muito bom o teu site!! Parabéns!
    Estou indo pro Japão no final de julho e ficarei 14 dias lá, teu roteiro ficou perfeito para mim.
    Minha dúvida é, chegarei em Tokyo pelas 16h, eu consigo trocar o JR pass no aeroporto? Para ir para Hiroshima eu vou do aeroporto para estação central de Tokyo e de lá pego o trem? Se sim, qual a melhor maneira de ir para estação? Será que não chegarei muito tarde em hiroshima? Tem trens saindo com frequência para lá?
    Muito obrigado!

    • 20/04/2017 at 12:09 — Responder

      Obrigada, Lucio!
      Vc consegue trocar o JR Pass no aeroporto sim. O aeroporto tem conexão com uma estação de trem, basta procurar o guichê que faz a troca.
      Acho que o caminho mais fácil é sair do aeroporto de Narita para Shinagawa, de trem mesmo, e depois pegar outro trem para Hiroshima. Essa viagem leva pouco mais de 5 horas. Os trens têm boa frequência, acredito que cada 1 ou 2 horas.
      Na hora de trocar o JR Pass, pergunte para o atendente. Eles vão te explicar direitinho os horários o trocas.

  10. Marcos Hamano
    10/05/2017 at 14:11 — Responder

    Olá, Patrícia!
    Parabéns pelo blog… visitei com minha esposa os 7 continentes (Antarctica incluída), quase sempre me valendo de colaboradores como você!
    Considerando a pouca familiaridade do japonês com a língua inglesa considero que, no mínimo, um bom acesso wifi é importante… você recomendaria o app “Japan Conecteed free wifi”? Ou seria melhor adquirir um chip pré-pago em uma loja de conveniência (isso é simples de achar por lá, como já andei lendo?!).
    Com relação aos pontos de visitação, você sabe dizer se há boa informação ao turista nesses locais? Me refiro a material impresso mesmo, já que não pretendo contar com guia pois não curto viagens em grupo de agência… buscamos algo slow travel.
    No mais, devo dizer que todos que já vi, o seu roteiro aí de cima é de longe o que mais me atraiu, sobretudo por deixar Tokio para o final, tal como a cereja do bolo… Para um conveniente low travel, pretendemos adaptar esse roteiro para fazê-lo em 20 dias ao invés de 15… como você me recomendaria distribuir esses dias extras?!
    Novamente obrigado!
    Marcos

    • 11/05/2017 at 12:37 — Responder

      Marcos,
      Muito obrigada pelo comentário e pelos elogios. Fico muito feliz em saber que ajudou!!

      Sobre o wi-fi, não é comum os lugares terem wi-fi público ou para clientes (em restaurantes, por exemplo). Vc acha em algumas lojas de conveniência e starbucks, mas é algo mesmo bem limitado. Não conheço esse app que vc mencionou. Chip pré-pago é simples.
      Uma solução que eles usam bastante é o wi-fi portátil. Parece uma bateria externa (fisicamente) e vc pode conectar o celular ao wi-fi desse aparelho. O único detalhe é que a bateria não dura mto tempo, então ter uma bateria extra para não ficar na mão no meio da rua é uma boa.

      Os locais turísticos são super bem sinalizados em inglês e japonês, os principais com placas e informativos em várias línguas (português é bem raro, a não ser que vc vá para hamamatsu). O metrô tem boa sinalização também. E os japoneses são super solicitos e sempre tentam ajudar, mesmo que vc não fale o idioma deles.

      Os dias extras, depende muito do interesse de vcs. Se gostarem de templos, vale ficar mais um dia em Kyoto e ir para Arashiyama.
      Osaka também merece mais que meio dia, é uma cidade grande e tem mais coisas para conhecer (e para comer).
      Hakone definitivamente pode ser visto com mais calma. Tem alguns museus, parques e paisagens lindas. Se o tempo estiver bom, vale ficar.
      Tokyo dá para passar o mês inteiro e ainda ter coisa nova pra fazer, sem contar nos inúmeros bate-voltas para lugares próximos.

      Espero ter conseguido te ajudar. Se tiver dúvidas pode falar. =)

  11. Ana
    19/05/2017 at 19:09 — Responder

    Olá Patrícia!
    Que blog fantástico! Está me ajudando muito a montar meu roteiro de lua de mel (rsrs). Estamos indo para o Japão em setembro. Teremos ao todo 16 dias por lá, e não queremos abrir mão de conhecer Okinawa. Acha que em setembro será uma boa época para conhecer a ilha? Quantos dias acha razoável curtir por lá?
    Considerando nossa ida a Okinawa, quais cidades sugeriria retirarmos do roteiro?
    Muitíssimo obrigada 🙂

    • 20/05/2017 at 17:22 — Responder

      Oi Ana!

      Okinawa deve ser um lugar incrível. Eu ainda não conheço, mas está super na minha lista. Quero voltar para o Japão pra conhecer a ilha, com toda certeza!
      Setembro é final de verão, começo de outono. Já terá passado a alta temporada, o que é ótimo. Por ser bem mais ao sul, as temperaturas são mais agradáveis. Enquanto o resto do país já estará tirando os casacos do armário, em Okinawa acredito que ainda estará calor.

      Acredito que 3 ou 4 dias seja um bom tempo para ficar em Okinawa. O restante vcs podem dividir entre Osaka, Kyoto e Tokyo.
      Se conseguirem um voo que sai ou chegue de Naha para Osaka, acho que facilita bastante a logística de vcs. Para chegar na ilha só voando ou de barco.

      Qualquer dúvida é só falar.

  12. Erik
    11/07/2017 at 16:30 — Responder

    Boa tarde Patrícia!
    Estou programando com antecedência viagem para o Japão com um amigo. Já fomos muito para a Europa e agora resolvemos mudar. Nós vamos dia 27 de abril e ficamos até 15 de maio. Estou iniciando as pesquisas e gostaria de compartilhar meu roteiro inicial e pedir sua ajuda/conselho. Segue abaixo:
    Dia 1 : Chegada aeroporto Narita (14:00h) – Tokyo
    Dia 2 : Tokyo – castelo de Himeji – Hiroshima
    Dia 3 : Hiroshima
    Dia 4 : Hiroshima – Miyajima – Osaka
    Dia 5 : Osaka – Nara – Kyoto
    Dia 6 : Kyoto
    Dia 7 : Kyoto
    Dia 8 : Kyoto – Takayama
    Dia 9 : Takayama – Shiragawa-go – Takayama
    Dia 10 : Takayama – Tokyo
    Dia 11 : Tokyo
    Dia 12 : Tokyo
    Dia 13 : Tokyo – Nikko
    Dia 14 : Tokyo – Yokohama
    Dia 15 : Tokyo – Hakone
    O que você acha?
    Agradeço desde já.

    • 19/07/2017 at 22:34 — Responder

      Oi Erik!

      Gosto desse roteiro. Acho que a divisão está muito boa.
      Só se atente para as bagagens nos dias que tem 3 cidades. Como vcs vão fazer? Podem deixar nos armários das estações de trem ou despachar as malas grandes por takyubin.

      Considere comprar o JR Pass de 14 dias e faça os lugares próximos a Tokyo primeiro, antes de explorar a capital, assim vcs aproveitam o passe.

      Qualquer dúvida é só falar.

  13. Davi e aline
    26/07/2017 at 23:55 — Responder

    Parabéns pelo blog e obrigado pelas dicas. O Japão certamente será visitado no futuro e usaremos seu roteiro como base.
    Abs

    • 27/07/2017 at 23:10 — Responder

      ObrigadaDavi e Aline!!
      O Japão é um lugar incrível. Se precisarem de mais informações é só avisar.

  14. cristian
    01/08/2017 at 10:16 — Responder

    Obrigado relo relato Patricia, ajudo bastante!!!
    Uma duvida questão de alimentação quanto vc consideraria recomendável por dia separar do seu orçamento 60 dolares, por dia?

    • 01/08/2017 at 23:00 — Responder

      Cristian,
      Fico feliz em saber que ajudou!
      Isso vai depender muito dos lugares e do que vc comer. No geral, alimentação no Japão não é tão cara. Dá para comer bem com 800 – 1.000 ienes por refeição (isso seria algo em torno de 8 – 10 dólares).
      Dá para comer mais barato se for nas lojas de conveniência. E dá para comer muito mais caro, dependendo do restaurante que for.

  15. Thay
    24/09/2017 at 18:12 — Responder

    Patricia, amei seu roteiro e estou usando ele como base, parabéns!!! Quanto tempo leva de Tokyo para Hiroshima pelo trem bala que sugeriu? Obrigada!!

    • 10/10/2017 at 21:50 — Responder

      Thay,

      Fico feliz em saber que te ajudei! =]
      O trajeto até Hiroshima é um pouco longo, são cerca de 9 horas de viagem com uma troca de trem.

      bjo,

  16. Thay
    15/01/2018 at 20:44 — Responder

    Patricia, sou eu de novo! rs

    Eu e meu marido chegaremos no aeroporto de Haneda, você sabe se existe algum shinkansen que podemos pegar de dentro do aeroporto para ir direto para Hiroshima?

    obrigada!!

    • 19/01/2018 at 21:46 — Responder

      Thay,

      Direto do aeroporto não dá, mas vcs podem pegar um trem de Haneda até Shinagawa. De lá sai shinkansen direto para Hiroshima.
      Acredito que essa seja a rota mais fácil e com menos baldeações.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *