ÁsiaPhuketTailandia

Patong Beach

Hoje acordei mais tarde e fui resolver minha vida. Estava procurando alguma coisa para fazer, mas resolvi passar o dia na praia de Phuket mesmo. Antes disso, precisava decidir a programação de amanhã – Phi Phi Island. Sabia para onde ir, mas não como, quanto custa nem quanto tempo leva.

Fui na recepção do hotel perguntar e eles ajudaram em partes. Sabiam o valor do ferry, mas não sabiam os horários e falaram para ir até o pier perguntar (mas o pier não é perto daqui). Descobri horários e valores no Google mesmo e até tentei fazer um booking online, mas só podia para daqui 3 dias. A recepção disse que podia fazer isso para mim, ligaram para algum lugar, falaram um monte de coisa que não entendi e no final ela agendou um taxi e disse que era para comprar as passagens do ferry na hora. Vai entender, viu! Para comprar na hora e pegar um taxi eu poderia ter feito sozinha e em menos tempo.
 
Os horários do ferry são bem ruins. Chegam lá tarde (11h) e voltam as 14h30. Isso significa que o dia seria super curto e precisava passar a noite lá para aproveitar o dia todo. Depois, voltar no dia seguinte de manhã para arumar as coisas e ir embora. Aaahhh! Que triste!
Voltei para o quarto para trocar de roupa e ir para a praia. Como a praia é longe, fui perguntar na recepção como fazer para chegar lá. Eles falaram para pegar um taxi ou um tuk tuk, que seria mais barato. Depois de andar uns 2 quarteirões a procura de um tuk tuk, o preço foi de 400 bath, sem pechincha. Muito caro! Convertendo, isso dá uns 25 reais, o que não seria ruim para um taxi de meia hora, mas para os padrões daqui isso é caro!
Cheguei na praia. Chama Patong.  Tomei um susto! Um monte de guarda-sóis, cadeiras de praia, venedores ambulantes, gente jogando futebol, frescobol, carrinhos de bebidas. Estou na Tailândia mesmo? Ou voltei pro Brasil e não to sabendo?

Patong Beach. Me senti no Brasil!

Rota de fuga em caso de tsunami

Achei que só as praias do Brasil eram assim. A única coisa diferente era a quantidade de mulheres fazendo top less. Um monte!! Tinha um monte de velhinhas enrugadas com micro biquinis (só a parte debaixo, na verdade, em cima não tinha nada). 
Dei uma volta na praia e fui almoçar (cheguei lá umas 11h30). Depois deitei em uma cadeira (paga! nada de cadeiras e guarda-sol grátis aqui) e dormi a tarde toda.Acordei algumas vezes para dar um mergulho e refrescar um pouco, e depois voltava a dormir. 
Hora de voltar! Descobri que tem um ônibus que faz o percurso Phuket-Patong, e vice-versa, e custa 30 bath! Porque eu paguei 400 para ir? É isso que acontece quando sua hospedagem é um hotel e nao hostel. 
Descobri também que estou no lugar errado. Phuket não tem nada, é um lugar feio e fedido, mas é o lugar de saída para as ilhas. Patong é muito mais animado, mais bonito, várias lojas, restaurantes, bares etc. Mas fica mto mais longe do pier. 
Já posso me passar por thai também, se eu não abrir a boca. Hoje vieram 3 pessoas me vender coisas na praia falando em thai e só falaram inglês depois que perceberam que eu não estava entendendo. Reação de todos eles: “Where are you from? You look like thai!” Hoje não foi a primeira vez que eu ouvi isso, está ficando cada vez mais frequente. Já falaram comigo em chinês também e me perguntaram várias vezes se eu era da China. Japão? Só 1 vez.

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Nascida em São Paulo, já chamou de casa o Japão, a Austrália, o Chile e tem o passaporte carimbado por uma volta ao mundo. Descendente de japoneses com orgulho e ativa na comunidade nikkei, participa de projetos para divulgação do Japão e para o fortalecimento da cultura japonesa no Brasil. Está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *