América do SulLimaPeru

O que fazer em Lima

Lima é uma cidade que surpreende. O trânsito caótico é marcante, assim como sua gastronomia, considerada uma das melhores do mundo. Uma pirâmide de séculos atrás se destaca no meio de um bairro moderno e cheio de cores. O povo é receptivo e o Pacífico está ali para encher os olhos da única capital da América do Sul banhada pelo oceano. Lima é, realmente, uma caixinha de surpresas.

Apesar das praias e de estar próxima à linha do Equador, a capital peruana é uma cidade nublada e fria. Os termômetros não costumam subir muito, mesmo no verão, quando o sol aparece com mais frequência. Prepare a mala com um casaquinho em qualquer época do ano, a temperatura fica entre 15ºC e 25ºC. A boa notícia é que o guarda-chuva pode ficar em casa, já que praticamente não chove em Lima.

A capital do Peru é formada por 43 bairros que possuem administração independentes, o que significa impostos diferentes para os moradores de cada região e se reflete na estrutura e serviços oferecidos por cada um.

lima_centrohistorico
Centro histórico de Lima

Miraflores é um bairro de classe alta e um dos melhores para se hospedar. Cheio de praças e parques bem cuidados, seguro, limpo e com boas opções de restaurantes e comércio. Vale passar pelo Parque Kennedy e brincar com os gatinhos manhosos que estão sempre por lá. O Larcomar é um shopping construído no barranco, um dos mais bonitos da cidade e dar uma voltinha e almoçar com vista para o mar é uma boa. Outra opção para conhecer o bairro de forma rápida é embarcar em um dos tours da Mirabus, que além de Miraflores, faz outros passeios pela cidade.

Huaca Pucllana é uma das principais atrações da cidade. As ruínas de uma pirâmide ficam no meio de Miraflores, um dos bairros mais modernos de Lima, onde você pode conhecer mais sobre a cultura, religião e tecnologia que esse povo tinha. Faça uma visita guiada para extrair mais informações do lugar.

O bairro vizinho é Barranco, uma região boêmia e cheia de bares, restaurantes, baladas e opções para quem quer cair na noite. Um dos pontos mais conhecidos é a Ponte dos Suspiros, construída em madeira no ano de 1876 e frequente cenário de fotos de casais, mas a grande atração mesmo é curtir o clima do lugar.

Parque da Reserva é uma ótima pedida para ver o show de água e luzes.  São 3 shows por noite e entretenimento garantido para todos, além das outras fontes com diferentes formatos ou as que prometem diversão.

lima_parque-de-la-reserva
Circuito das águas, o show de fontes e luzes

O centro histórico é outro lugar de visita obrigatória. Se juntar ao grupo de um free walking tour pode ser uma boa ideia para conhecer a Plaza de Armas, a Catedral, a Plaza San Martin e a Igreja San Francisco. Fica a dica: entre na igreja para ver as catacumbas com ossos de mais de 25 mil pessoas.

Para quem gosta de museus e da cultura inca, o Museo del Oro é uma boa opção. São mais de 47 mil peças da coleção particular de Miguel Mujica, entre elas armas e objetos de ouro, prata, cobre e bronze que fazem parte da história do país, especialmente das civilizações incas e pré-incas.

O Museu Larco é o mais importante de Lima e um dos melhores em arqueologia da América do Sul. São 45 mil peças que contam a história dos incas e das civilizações pré-incas, incluindo um museu de peças eróticas. Experimente uma visita guiada para entender melhor.

lima_museu-larco
Museu Larco, um dos melhores museus de arqueologia da América do Sul

A melhor forma de se locomover por Lima é de taxi ou a pé, para distâncias menores. O transporte público é bem limitado e não muito amigável com quem não conhece a cidade. Os taxis são baratos e em abundância, encontrar um não vai ser problema.

Está gostando desse artigo? Que tal curtir o Bagagem de Memórias no Facebook?


Algumas dicas para não ter problemas:

  • Os taxis não têm taximetro. É preciso negociar o valor da corrida antes de entrar no carro. Ter uma noção da distância, do percurso e do valor médio é sempre uma boa ideia para não ser enganado. Mapas vão ajudar muito, principalmente se forem online. Pergunte na recepção do seu hotel/hostel quanto custa, em média, um taxi de X para Y.
  • Evite os que ficam em lugares muito turísticos, como em frente ao shopping Larcomar. Os carros parecem novinhos e o ponto tem localização estratégica, mas os preços não vão ser os melhores, mesmo depois de negociar.
  • Tenha trocado para pagar os taxis. Evite usar notas altas para não ter problemas com troco ou notas falsas. Isso vale para os taxis de Lima ou de qualquer outro lugar do mundo.

 

No mais, deixe a cidade te surpreender!

 

Você conhece Lima? Quais são as suas dicas da cidade?

 

Leia mais:

Dicas de Machu Picchu

Memórias da viagem: Peru (por Tooru e Karina)

Cusco, o umbigo do mundo

O que fazer em Bogotá

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Amante da natureza, de aventuras, da cultura asiática e de causas sociais, reside em São Paulo, mas já morou no Japão, na Austrália e no Chile, já deu uma volta ao mundo e está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *