ÁsiaJapãoMundoTokyo

O que fazer em Tokyo

Tokyo: uma das maiores metrópoles do mundo, concentração de gente, de tecnologia, de luzes e de contrastes. Tenha certeza de que você não irá sofrer de falta do que fazer na capital do Japão, muito pelo contrário, afinal opções não faltam. Se puder passar um mês inteiro na cidade, fique e terá a agenda cheia todos os dias.

A quantidade de pessoas aglomeradas, principalmente no horário de pico, assusta um pouco, mas a organização impressiona (e muito!). As ruas estão lotadas, mas ninguém esbarra em ninguém, ninguém empurra ninguém. Os japoneses se organizam em filas para aguardar os trens e metrôs e o guardinha com suas luvas sempre super brancas gentilmente compacta as pessoas dentro dos vagões para que os próximos passageiros esperem por menos tempo. Tudo funciona perfeitamente em uma cidade limpa, segura, estruturada e organizada. Lá o pensamento é coletivo e o respeito ao próximo é enraizado na cultura.

Leia também: 10 coisas que você precisa saber antes de ir para o Japão

E em meio ao caos organizado é sempre possível encontrar um lugar de paz, tranquilidade e silêncio. Seja um templo para meditar, um parque para relaxar ou um cantinho escondido da cidade, aqueles que você só descobre quando se perde andando sem rumo.

o que fazer em tokyo

 

Transporte em Tokyo

O transporte público no Japão todo é excelente e na capital não podia ser diferente. Faça do metrô o seu melhor amigo e das suas pernas sua melhor companhia. A primeira reação é entrar em desespero ao ver o mapa de trens de metrôs da cidade, mas com calma você vai ver que não é nenhum bicho de 7 cabeças e é bem eficiente. As linhas se conectam muito bem uma a outra e a malha chega em todos os pontos da cidade.

Tokyo não é uma cidade barata, por isso é importante saber quais bilhetes comprar para não desperdiçar seu suado dinheirinho à toa. O preço é calculado pela distância percorrida e em toda estação tem máquinas em que você insere o seu destino e a quantidade de passagens e ela calcula o valor. É só inserir o dinheiro e pegar os bilhetes e o troco. Esse ticket vai ser usado na catraca de entrada da estação e na de saída do seu destino, portanto guarde-o bem. Fica a dica: essa é a pior escolha. Você vai perder tempo na fila e na máquina toda vez que for pegar o metrô e se mudar de ideia e resolver ir para outro lugar no meio do caminho, terá que trocar seu bilhete se o valor for diferente.

tokyo_mapa do metro
Mapa do metrô de Tokyo (clique para abrir a imagem em pdf)

Uma das opções, provavelmente a melhor delas, é comprar um cartão pré-pago. Praticamente todos os japoneses tem um deles. Você compra em qualquer estação e coloca um valor de crédito, passa na catraca de entrada e saída das estações e o valor referente à distância percorrida é debitado. É o mesmo valor do bilhete que falei acima, mas sem perder tempo em filas a cada viagem. Para recarregar o cartão, basta ir em uma das máquinas em qualquer estação. Além disso, você pode usar esse cartão em máquinas de bebidas e nas lojas de conveniência também.

Se o roteiro do seu dia inclui muitas viagens de metrô, talvez seja uma ótima ideia comprar um day-pass, um bilhete de valor fixo que pode ser usado inúmeras vezes no mesmo dia. Faça as contas e veja se realmente vale a pena.

Para quem pretende viajar pelo país o JR Pass pode ser uma boa opção. Ele só pode ser usado por turistas e não é vendido no Japão, ou seja, compre o seu antes de ir. Ele só é aceito nas linhas JR e nem todas as linhas de Tokyo são, portanto é preciso planejar o trajeto. Atenção: só compre o JR Pass se você vai viajar pelo país de shinkansen, o trem-bala. Esse bilhete é caro e tem validade determinada, para utilizar apenas em Tokyo e arredores não vale a pena.

Existem sites e aplicativos que traçam as rotas. Lembre-se disso e sua vida será muito mais fácil por lá. Procure também descobrir qual a saída mais próxima do seu destino. As estações variam muito, podendo ter 2 saídas ou 20. Algumas estações como Shibuya, Shinjuku, Tokyo Station e outras são tão grandes que parecem uma cidade a parte. Além de diferentes linhas do metrô, ali também passam linhas de trem e de shinkansen (trem bala), sem falar nas inúmeras lojas e restaurantes dentro da estação.

 

Então vamos ao que interessa. O que tem pra fazer em Tokyo?

Está gostando desse artigo? Que tal curtir o Bagagem de Memórias no Facebook?


 

Bairros de Tokyo

Alguns dos bairros de Tokyo merecem uma visita por suas particularidades. Planeje conhecer uma região no mesmo dia para diminuir o tempo e gasto com deslocamentos.

 

Norte:

A região norte de Tokyo guarda um dos bairros mais tradicionais da cidade – Asakusa. Seguindo um modelo que parece ter parado no tempo há algumas décadas atrás, seu principal atrativo é o templo Senso-ji. Contrastando com o passado, o moderno Tokyo Skytree, o maior arranha-céu da cidade,  fica pertinho, basta atravessar para o outro lado do rio.

Ameyoko é outro lugar que parece ter parado no tempo e vale conhecer. Uma rua comercial entre as estações Ueno e Okachimachi onde você vai encontrar comida, roupas e bugigangas no geral, tudo no estilo de comércio do Japão antigo. Não longe de lá fica o Ueno Park, que passagem obrigatória para quem vai para Tokyo.

Tokyo_sensoji asakusa
Detalhes do Senso-ji, templo no bairro de Asakusa

 

Sul:

Se o que você procura é uma noite memorável, Roppongi é o seu lugar – o bairro da vida noturna, bares e baladas. Dois complexos também merecem destaque no bairro: Roppongi Hills e Tokyo Midtown, ambos centros residenciais, comerciais e de entretenimento, com lojas, restaurantes, cinema, museus entre outras atrações. Não longe fica a Tokyo Tower.

Falando em entretenimento, não podemos deixar de citar Odaiba. Uma ilha artificial e futurística com inúmeras atrações, entre elas o prédio da Fuji TV, museus, roda-gigante, um boneco gigante do Gundam, praia, entre outros. Dica: vá de trem e na volta atravesse a Rainbow Bridge a pé. Vale a vista.

Odaiba, Tokyo
Odaiba, a ilha futurística de Tokyo

 

Oeste:

Provavelmente a Tokyo que você imagina tem muita gente, propagandas, luzes e neons por todos os lados. Esse é o bairro de Shibuya, com destaque para o famoso cruzamento de pedestres que atravessa as ruas na diagonal (dica: o Starbucks oferece uma boa vista para o cruzamento). Outro ponto importante é a estátua do Hachiko, o cachorro que esperou seu dono por anos em frente à estação de Shibuya. A região é excelente para os amantes das compras. Lojas de departamentos para todos os lados (faça uma visita na Tokyu Hands, especialmente se você curte qualquer tipo de artesanato), além de bares e restaurantes. A agitação vai até altas horas da noite.

Shinjuku é o centro financeiro da cidade, os arranha-céus, prédios modernos e sedes de grandes companhias se concentram lá. A estação de Shinjuku é a mais movimentada do mundo, com mais de 2 milhões de pessoas por dia e nos arredores você encontra lojas de departamento, eletrônicos, parques e o prédio do governo.

Como eu sempre digo, o Japão é o país dos contrastes. Se você tem a imagem de que japonês é certinho, quadrado e careta, precisa passar por Harajuku para ver que nem sempre eles são assim. Cabelos coloridos, cortes extravagantes, roupas estilosas na melhor (ou pior) mistura de cores, estampas e texturas possíveis. A Takeshita doori, a rua mais famosa do bairro, é cheia de lojas e de jovens fashion. Vale roupa estilo boneca, gótico, brega, personagem de anime ou freestyle mesmo, o que vale é deixar a criatividade correr solta. O melhor dia para conhecer a rua é aos domingos, quando os jovens não têm aula e se reúnem por lá. Omotesando é outra rua famosa do bairro, essa com mais lojas de grife.

Tokyo_shibuya crossing
O famoso cruzamento de pedestres de Shibuya

 

Centro:

O Japão é bem conhecido por sua tecnologia, isso não é novidade para ninguém. E se você gosta de eletrônicos, Akihabara é o seu lugar. São prédios inteiros apenas deles – TVs, DVDs, máquinas fotográficas, notebooks, celulares, tablets, aparelho de som e por aí vai. Inclua junto nessa lista cabos, baterias, todos os tipos de capas e acessórios que imaginar. Os fãs de jogos vão pirar na sessão de videogames,  que além das mídias dos games, também vão encontrar bonecos, posters e todas as outras bugigangas que fazem parte desse mundo. É claro, é possível encontrar games e eletrônicos em outros lugares, mas Akihabara tem a concentração deles.

Ginza é o bairro chique da cidade, com um dos metros quadrados mais caros do Japão e onde todas as principais marcas se encontram. Restaurantes sofisticados, cafés caros, galerias de arte e boutiques também marcam presença, incluindo o show room da Sony, no Sony Building.

Na região central ainda temos atrações importantes como o Palácio Imperial, ou Castelo Edo, e a famosa ponte Nijubashi, e também o movimentado Tsukiji Fish Market, o mercado de peixes. Se estiver disposto a acordar bem cedinho, terá a chance de ver o leilão de atum, que acontece a partir das 5h. O limite de pessoas que podem assistir é baixo e costuma lotar.

Tokyo_imperial palace
Ponte Nijubashi e o Palácio Imperial ao fundo

 

Tokyo do alto

O ponto mais alto da cidade é a Tokyo Sky Tree, inaugurada recentemente, no ano de 2012. Com 634m de altura, ela se destaca na cidade. São dois decks de observação com visão 360º, além do restaurante, café e lojinha. Os ingressos podem ser comprados online ou na bilheteria do local. Recomenda-se chegar cedo porque as filas são frequentes.

A Tokyo Tower, com seus 333m, é um dos cartões postais da cidade e era a construção mais alta do Japão até a inauguração da Skytree. Inspirada na Torre Eiffel, em Paris, porém 13m mais alta, simboliza o renascimento econômico do Japão pós II GM. São dois observatórios, além de loja de souvenir, museu e outras atrações. A entrada é paga.

Um dos complexos do bairro de Roppongi, o Roppongi Hills, também possui um observatório – o Tokyo City View, que fica no prédio chamado Mori Tower, com 328m de altura. O deck fica no 52º andar e oferece vista 360º de Tokyo. A entrada é paga e pode ser combinada com o Mori Art Museum, que fica no mesmo prédio.

O Tokyo Metropolitan Government Building, localizado no bairro de Shinjuku, tem duas torres de 243m de altura e um observatório em cada uma delas que oferecem vistas panorâmicas da cidade. O local possui um café e loja de souvenirs e a entrada é grátis.

Tokyo_vista roppongi hills
A vista do observatório do Roppongi Hills. Em dias claros dá para ver o Monte Fuji.

 

Templos e santuários em Tokyo

O Japão tem duas religiões predominantes – budismo e xintoísmo – e os templos (budistas) e santuários (xintoístas) estão presentes na cidade e no país todo. Os japoneses são, em geral, bastante religiosos e frequentam esses lugares em datas específicas, por isso é preciso respeitar a tradição e cultura ao visitá-los. A entrada na grande maioria deles é grátis.

O templo mais famoso de Tokyo é o Senso-ji, no bairro de Asakusa. A entrada passa pelo Kaminarimon, o portal do trovão, e segue por uma ruazinha cheia de barraquinhas de comida, artesanato e outras quinquilharias. Logo ao lado está o santuário de Asakusa, mostrando como religiões diferentes podem conviver de forma harmônica no mesmo lugar.

Localizado no bairo de Harajuku e ao lado do Yoyogi Park, o Meiji Jingu é um santuário dedicado ao imperador Meiji, foi destruído durante a II GM e reconstruído logo após. A paz reina no seu interior, entre as centenas de árvores que compõe o lugar, fazendo-nos esquecer que estamos bem no centro de uma das maiores metrópoles do mundo.

O Zojoji é o templo que fica perto da Tokyo Tower. O sangedatsumon, o portal principal de entrada, é original, construído no século XVII, e sobreviveu às guerras, terremotos e incêndios. Mais um exemplo do contraste da tradição e modernidade convivendo juntos.

O Ueno Park possui 3 templos e um santuário em seu interior. O Kaneiji já foi um dos maiores e mais importantes templos do país, durante a era Edo. Destruído pelas guerras, hoje é pequeno e partes dele são templos independentes, como o Kiyomizu Kannon, inspirado no famoso Kiyomizudera, em Kyoto, que tem um grande balcão de madeira e é bastante popular entre as mulheres que querem engravidar. O Toshogu Shrine, que também já foi parte do Kaneiji, é mais uma das construções japonesas dedicadas ao Tokugawa Ieyasu, o fundador e primeiro xogum do Xogunato Tokugawa. O Bentendo fica em uma ilha no meio do lago Shinobazu e lota na época da florada das cerejeiras, quando ocorrem os festivais no parque.

Tokyo_zojoji temple
O templo Zojoji e a Tokyo Tower ao fundo. Tradição e modernidade sempre convivendo em harmonia.

 

Museus em Tokyo

Se você gosta de museus, esse é mais um motivo para visitar o Ueno Park. O Tokyo National Museum é o maior e mais antigo museu do país, com uma vasta coleção de tesouros nacionais e artes. O National Science Museum tem foco em ciência e história natural, já o Tokyo Metropolitan Art Museum tem seis galerias de exposições temporárias de diversos artistas. O National Museum of Western Art concentra obras européias e o Shitamachi Museum reproduz a vida em Tokyo no século XVIII.

Outro muito bem recomendado é o Edo-Tokyo Museum, com foco no Japão da Era Edo. Bem completo, ele abrange itens como arte, arquitetura, cultura, política, estilo de vida entre outros.  Para completar o contexto histórico, visite também o Edo-Tokyo open Air Museum, com maior foco em arquitetura, e o Fukagawa Edo Museum, que reproduz com muitos detalhes uma vila dessa época (dica: os fotógrafos piram aqui).

Saindo um pouco da história e arte, um dos países mais tecnológicos do mundo não podia deixar de abordar esse tema também. Eu me diverti horrores no @TEPIA, um show room de tecnologia avançada para diversas áreas. Tudo é muito interativo e você pode conversar com o simpático robô (em japonês), criar sua própria história em quadrinhos, testar equipamentos e muito mais. A entrada é grátis.

Para os amantes das animações japonesas, um dos maiores estúdios do país, o Studio Ghibli, de Hayao Miayazki, tem um museu. O Ghibli Museum tem uma área dedicada para história e técnicas de animação, um pequeno cinema onde são exibidos alguns de seus filmes e exposições temporárias, além dos famosos personagens de filmes como A viagem de Chihiro, Princesa Mononoke e Meu amigo Totoro. É necessário comprar os ingressos com antecedência.

A lista de museus de Tokyo vai muito além disso.  Tem o Advertising Museum Tokyo para quem quiser saber mais sobre a história da propaganda japonesa, o Beer Yebisu Museum, museu sobre cerveja, The Japanese Sword Museum, sobre espadas, e até museus um tanto quanto esquisitos, como o Meguro Parasite Museum, pasmem, um museu sobre parasitas que foram coletados dos corpos de outros animais. =P

Tokyo_fukagawa edo museum
Fukagawa Edo Museum. Reprodução com detalhes de uma vila da época.

 

Parques de Tokyo

O Ueno Park é o maior da cidade e a visita na época da florada das cerejeiras é especial, quando os japoneses se reúnem debaixo das árvores para apreciar as flores. Na área do parque encontram-se museus, templos e o zoológico.

O Yoyogi Park, no bairro de Harajuku, é outra área verde bem grande, com gramados extensos e lagos. Também é possível apreciar as flores de cerejeira, mas o parque é mais famoso pelas suas árvores de folhas douradas no outono.

Outro que merece visita é o Hama-Rikyu Gardens, que fica ao lado de Tokyo Bay, um refúgio no meio do distrito de Shiodome. Árvores e flores compõem o cenário junto com lagos. Destaque para a casa de chá que fica no meio de um deles.

Shinjuku Gyoen é um dos melhores parques para o hanami, a apreciação das flores de cerejeira que desabrocham na primavera. São três diferentes tipos jardins no local: japonês, inglês e frances.

Considerado o jardim mais bonito de Tokyo, o Rikugien reproduz cenários de poemas famosos e é um dos melhores lugares da cidade para apreciar as árvores com folhas avermelhadas durante o outono.

O jardim em estilo japonês mais antigo de Tokyo é o Koishikawa Korakuen, construído no início da Era Edo. O parque merece ser visitado tanto na primavera, para ver as flores de cerejeira, quanto no outono, quando as folhas ganham a coloração alaranjada.

Tokyo_hama rikyu gardens
Hama-Rikyu Gardens, um refúgio no meio de Shiodome

 

Onde se hospedar em Tokyo

Ficam aqui algumas sugestões de onde ficar em Tokyo, para diferentes estilos de viagem e bolsos.

Uma experiência local e com preço bastante acessível são os hotéis cápsula. A sugestão é o Tokyo Ginza Bay Hotel, no bairro de Guinza, próximo às estações de trem e metrô.

Para quem viaja com orçamento reduzido e gosta de conhecer gente, a sugestão é o Khaosan World Asakusa Ryokan & Hostel. Super bem localizado e com fácil acesso a alguns dos principais pontos turísticos da cidade. A rede Khaosan tem um dos melhores hostels que eu já fiquei na Ásia.

Já para quem quer economia, mas não dispensa o conforto e a privacidade, o The B Tokyo Asakusa é uma boa opção de hotel 3 estrelas. Também muito bem localizado e próximo às estações de metrô e trem.

 

Day trips a partir de Tokyo

Além de tudo isso, ainda há muito mais o que fazer se for para os arredores da capital japonesa. Tokyo Disneyland e Tokyo DisneySea são diversão garantida para toda a família.

Algumas cidades também valem a visita, como Yokohama, a segunda maior cidade do Japão e há menos de meia hora de trem, com destaque para o Museu do lamen  e a Chinatown (uma das maiores do mundo).  Minato Mirai fica na área central e, além de prédios modernos, tem um parque de diversões com uma roda gigante enorme.

Há menos de uma hora de Tokyo fica Kamakura, cidade que já foi um importante centro político do Japão e hoje é uma cidade pequena e turística. A principal atração é o Daibutsu, um buda de cobre gigante. A cidade tem também muitos templos e santuários e vale visitar o Hase-dera, com sua estátua Kannon de 11 cabeças e um belo jardim japonês, e o Hokoku-ji, o templo dos bambus.

Em Nikko fica o santuário mais rico e cheio de detalhes do país, o Toshogu, e também o mausoléu do fundador do Xogunato Tokugawa. Uma vez na região, também vale conhecer o Rinnoji, o templo mais importante do local, e a Shinkyo Bridge, a ponte sagrada que fica na entrada da cidade.

Hakone oferece boas vistas do Monte Fuji, além de águas termais e uma série de museus, com destaque para o Hakone Open Air Museum. A visita à Owakudani é bem interessante por ser uma área vulcânica ativa, com gases saindo do chão e piscinas naturais borbulhando pelo calor da Terra. Compre um ovo, deixe-o cozinhar nessa água e veja ele ficar com a casca preta devido à grande quantidade de enxofre. Dizem que esse é um dos segredos para uma vida longa.

Yokohama
Minato Mirai, em Yokohama

 

Todos as atrações e pontos de interesse estão marcados no mapa abaixo, para facilitar sua localização.

 

E você? Já esteve em Tokyo? Acrescentaria mais algum item à essa lista? Deixe nos comentários sua resposta.


Booking.com

 

Leia mais:

O Japão no Brasil

Roteiro: Japão em 15 dias

Seja maiko por um dia!

Descobrindo o Red Light District de Osaka, sem querer

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Amante da natureza, de aventuras, da cultura asiática e de causas sociais, reside em São Paulo, mas já morou no Japão, na Austrália e no Chile, já deu uma volta ao mundo e está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

16 Comments

  1. JULIANA
    17/08/2016 at 10:40 — Responder

    Olá, Patrícia, bom dia.
    Adorei o blog! Obrigada pelas dicas.
    Você chegou a conhecer o museu MIRAIKAN?
    Obrigada!

    • 17/08/2016 at 13:51 — Responder

      Obrigada Juliana! =]
      Não conheci esse museu =/

  2. Sonia
    07/12/2016 at 21:33 — Responder

    Ola Patricia ? vou com o meu filho que tem 14 anos no proximo março e estou com mto receio em relaçao aos transportes. Eles falam pouco o ingles e eu pouco falo o japones. Vou ficar num hostel a 1,9 km de Shibuya center e tenho mto receio no transporte a utilizar. Vou ficar por Tokyo 7 dias e quero conhecer os principais destinos turistivos em tokyo. So que a deslocaçao mete me mesmo receio de me perder…falei?

    • 08/12/2016 at 00:40 — Responder

      Sonia,
      Use e abuse do metrô de Tokyo. Ele te leva para qualquer lugar da cidade.
      Tenha sempre o mapa em mãos e um aplicativo que calcula as rotas.
      O metro é bem sinalizado e as placas são em inglês.
      Apesar de falarem um inglês bem precário, os japoneses são mto solicitos. Eles vão te ajudar, basta perguntar. Qdo as duas pessoas querem, elas se entendem mesmo sem falar a mesma língua.

  3. 22/01/2017 at 22:07 — Responder

    Olá! Estou planejando minha viagem em abril e estou usando e abusando do seu blog! Qual bairro que você indica para se hospedar em Tóquio?

    • 24/01/2017 at 14:10 — Responder

      Lulu,
      Que maravilha saber que o blog está te ajudando!
      O Japão em abril é lindo. Época em que as cerejeiras desabrocham.
      O transporte em Tokyo é muito fácil, então estar perto de uma estação de trem ou de metrô facilita muitíssimo.
      Diria que os arredores da Tokyo Station seja o melhor, é bem central. Perto do Ueno Park é uma boa escolha e Shibuya também é bom.

      Odaiba é uma região que vale conhecer, mas para se hospedar não recomendo para uma primeira visita. É um pouco afastado de todas as demais atrações e vai tomar tempo e dinheiro no deslocamento diário.

      • 24/01/2017 at 23:24 — Responder

        Super obrigada! Estava pensando em ficar perto da JR Tokyo Central e você confirmou que a minha ideia é boa rsrs

        • 26/01/2017 at 11:33 — Responder

          =]
          Acesso fácil para qualquer lugar, inclusive para pegar o trem para outras cidades.

  4. Cris
    28/07/2017 at 17:43 — Responder

    Olá Patricia!! adorei o Guia!
    vc pode dizer qual o aplicativo pro Metro? que calcula as rotas? Obrigada!

    • 28/07/2017 at 23:00 — Responder

      Oi Cris,
      Que bom que consegui ajudar!
      Procure pelo Hyperdia ou por Jorudan, ambos são sites e não aplicativos.
      O Jorudan tem uma versão app, mas é em japonês.

  5. Iracema Mendes
    02/12/2017 at 08:36 — Responder

    Oi Patrícia,
    Irei para o Japão em junho com 5 amigas.
    E depois de tanto pesquisar sobre a nossa viagem descobrir o seu blog e ameeei!! Seu blog é direto e muito bem redigido. Parabéns! Colocaremos em prática suas dicas! Obrigada

    • 04/12/2017 at 22:05 — Responder

      Que comentário mais lindooo!!! <3
      Se precisarem de mais informações é só falar!

  6. Gilyandro Reis
    21/01/2018 at 18:53 — Responder

    Oi Patricia,
    Estamos começando a estudar uma viagem para o Japão incluindo uns dias na Disney de Tokio.
    Você conhece?
    O que pode nos dizer sobre a estrutura do parque?
    Um abraço,
    Obrigado,
    Gilyandro

    • 22/01/2018 at 20:54 — Responder

      Oi Gilyandro!

      Fui na Disney de Tokyo já tem alguns anos. A estrutura é excelente, padrão Disney.
      Para quem conhece os parques de Orlando, é muito parecido, mas um pouco menor. A qualidade não fica pra trás.
      O acesso é bem fácil, de trem ou ônibus você chega sem grandes dificuldades.
      Disney é sempre diversão garantida e o espírito criança que mora em nós agradece! hahaha

  7. Malu
    14/02/2018 at 19:20 — Responder

    Olá Patricia,
    Estou começando a pensar nas férias que eu e familia queremos fazer para o Japão, ano que vem. Somos eu, marido e 2 filhas (que terão 11 e 15 anos).
    Minha grande dúvida é: ir em Julho ou Dezembro/Janeiro.
    Nós só podemos viajar nas férias escolares…
    Penso o que seria menos pior, o calor intenso ou a neve.
    Sinceramente, o que acha?
    Parabéns pelo ótimo blog, mega explicativo, super bem escrito e ilustrado. Dá me dando o maior norte!
    bj
    Malu

    • 24/02/2018 at 12:59 — Responder

      Oi Malu!

      Fico muito feliz em saber que o Bagagem de Memórias te ajudou. <3

      Os dois períodos têm atrativos bem diferentes.
      Julho é bem calor sim, e uma época cheia de festivais, show de fogos de artifício etc.
      No inverno tem a neve que não temos no Brasil, dá pra esquiar também.

      Depende muito do que vcs tem mais interesse. Eu particularmente acho que viajar no calor é mais fácil e a mala é mais leve.
      A neve é linda, mas ela limita algumas atividades e exige um pouco mais de planejamento. Mas também é uma oportunidade que vcs tem que não terão no Brasil.

      Não sei se consegui te ajudar na decisão. Qualquer dúvida, pode perguntar aqui. =]

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *