ÁsiaBaliGili IslandsHistórias RTWIndonésia

O dia que quase perdi a mala

Essa é da série: perrengues de viagem que viraram ótimas histórias para contar depois, mas na hora deram uma certa tensão. Já imaginou o desespero de perder a mala com todos os seus pertences no segundo mês de uma volta ao mundo? Eu não só imaginei, como isso quase aconteceu comigo. Ainda bem que o santo protetor dos mochileiros estava do meu lado!

Tudo aconteceu na Indonésia. Estava em Bali e meu próximo destino eram as Gili Islands, um lugar cheio de praias paradisíacas escondidas em 3 pequenas ilhas. Comprei um pacotão de transfer + speed boat para ida e volta por um valor ótimo no hostel em que estava hospedada. Fui, aproveitei a praia e estava no caminho de volta quando tudo aconteceu.

Leia também: 10 coisas que você precisa saber antes de ir para Bali

O plano era pegar o speed boat de Gili até Padang Bay, em Bali, depois um transfer até Kuta e então de alguma forma chegar em Uluwatu, meu destino final. Cheguei no pier de Gili no horário marcado e esperei até o speed boat partir. Tudo certo até então. O pier de Bali era uma confusão só! Taxistas abordando turistas desavisados que não sabiam que o transfer estava incluso na passagem, muita gente e vans para todo o lado. Depois de, eu e minhas malas, minhas malas e eu, vencermos a barreira dos taxistas, fui descobrir qual daquelas seria a van que eu deveria entrar. Eram muitas, todas iguais e sem identificação. Com a ajuda de um mocinho que trabalhava lá, consegui encontrar. Conversei com o motorista, entreguei minha passagem e deixei a mochila no porta-malas.

– Saímos em 10 minutos, ok?

– Ok! Dá tempo de eu ir ao banheiro?

– Sim, pode ir. O banheiro fica ali. Eu espero você voltar.

– Espera mesmo? Não vai me deixar aqui, hein?

– Espero sim. Vá lá e volte aqui para sairmos.

Eu fui. Eu e minha mochila menor com meu passaporte, dinheiro, outros documentos, notebook e um kit sobrevivência. Essa eu só deixo pra trás quando ela fica dentro do quarto que vou dormir. O banheiro ficava nos fundos de um restaurante local, era preciso pagar para usá-lo e era sujo, escuro e super pequeno, porém necessário. Sabia que a viagem até Kuta era longa, pelo menos 1h e meia, e sem paradas.

Com a bexiga aliviada, fiz o caminho de volta para a van. Foi nesse momento que percebi que não tinha marcado nenhum ponto de referência e como as vans eram todas iguais, não sabia qual delas era a minha. Fiz o caminho que minha intuição guiou, mas não a encontrei. Comecei a ficar preocupada porque o motorista disse que saia em 10 minutos e, mesmo dizendo que iria me esperar, não queria atrasar o grupo todo ou correr o risco dele me deixar para trás (principalmente porque minha mochila estava com ele).

Está gostando desse artigo? Que tal curtir o Bagagem de Memórias no Facebook?


Andei de um lado para o outro e não achei. Um mocinho que trabalhava lá percebeu minha cara de perdida e foi me ajudar.

– Para onde você está indo?

– Estou procurando a van que vai para Kuta.

– Essa van já saiu. Você vai para lá?

Momento desespero começando.

– Eu vou. Como assim a van já saiu?

– Ela saiu tem uns 5 minutos. Você pode pegar a próxima.

– Não, eu tenho que pegar aquela que acabou de sair!

– Mas ela já foi. Espere aqui que te aviso quando a próxima van para Kuta for. Cadê sua passagem?

– Minha passagem está com o motorista.

Recebo um olhar desconfiado.

– Você não tem mala? Só essa mochilinha?

– Eu tenho uma mala e ela está dentro da van.

– Que van?

– Da que acabou de sair.

– E sua passagem?

– Está com o motorista da van que acabou de sair.

Dessa vez recebo um olhar de assustado e completo:

– Eu deixei a mala e a passagem com ele, fui ao banheiro e ele disse que ia me esperar.

– Espere aqui que vamos resolver isso.

Ele pega o celular e faz uma ligação. Troca algumas palavras em bahasa, a língua local que eu não entendo nada. Depois liga para outra pessoa e continuo sem entender. Outras pessoas que trabalham por lá coordenando as vans começam a se aglomerar em volta da gente.

– Não se preocupe, vai dar tudo certo.

– Onde está a van com a minha mala?

– Eu falei com o motorista e ele está voltando.

– Tem certeza disso? Eu não quero perder minha mala.

– Você não vai perder nada. Veja, meus olhos estão abertos.

Pelo que entendi, “meus olhos estão abertos” é uma expressão local que quer dizer algo como confie em mim.

Poucos minutos depois chegou um cara em uma moto.

– Você pode ir com ele. Ele vai te levar até a van.

– Mas você não disse que a van estava voltando?

– A van está te esperando. É mais rápido você ir de moto do que a van voltar para cá.

Essa foi a minha vez de lançar um olhar desconfiado.

– Veja, meus olhos estão abertos.

Confesso que achei a história estranha, apesar de concordar que a moto é mais rápida. Eu podia subir naquela moto e o cara me levar para qualquer lugar e fazer o que quisesse comigo. Por outro lado, eu não tinha outra escolha. Ou confiava neles ou ficaria sem minhas coisas e sem ter para onde ir. Assim, seguimos eu e um balinês que nunca vi na vida e que não falava uma palavra em inglês, em um moto velhinha a caminho de um lugar que não sabia exatamente onde era. Passamos por lugares que eu não fazia ideia de onde eram, afinal eu nada conhecia da região perto de Padang Bay. Uma curva aqui, outra curva ali, alguns minutos se passaram e… ele para atrás de uma van estacionada na rua e aponta para ela.

Desci da moto, olhei pelo vidro do porta-malas e reconheci minha mochila ali. Ufa! Virei, agradeci o mocinho da moto, abri a porta da van e entrei. Tinha um único lugar vazio me aguardando lá.

– Você falou que ia me esperar e foi embora! – Eu disse para o motorista assim que entrei na van.

– Desculpa, eu esqueci que você tinha saído. Desculpa, desculpa.

O motorista se desculpou tantas vezes que até fiquei com pena dele. Os balineses, no geral, são pessoas bondosas e prestativas. Como acreditam em karma, não fazem mal aos outros, pois tudo retorna para eles mesmos. E eu? Bom, encontrei minha mala e estava a caminho de Kuta, conforme o planejado. Não tinha mais motivos para me estressar ou me desesperar. Hora de curtir a viagem! Logo descubro que essa van estava lotada de brasileiros. Fomos conversando o caminho todo e nem vi o tempo passar. Todos eles iam ficar em Kuta mesmo e eu ia para Uluwatu. O motorista da van me ajudou a parar um taxi na rua e a negociar o valor, assim segui para as próximas aventuras. 🙂

E você? Já passou por um perrengue parecido? Deixe sua história nos comentários.

 

* Imagem destacada: nhanusek via VisualHunt / CC BY-NC-ND

 

Leia mais:

Happy pizza: a história mais engraçada

Perrengues de viagem: a hospedagem em Cameron Highlands

O dia que dividi a cama com um desconhecido

Ubud, a tradicional Bali

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Amante da natureza, de aventuras, da cultura asiática e de causas sociais, reside em São Paulo, mas já morou no Japão, na Austrália e no Chile, já deu uma volta ao mundo e está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

20 Comments

  1. 14/01/2017 at 21:08 — Responder

    Nossa, que susto! Mas que bom que deu tudo certo, porque nessas horas, longe de casa, sem falar a língua, dá um desespero né? Mas adorei o relato, rssss.

    • 17/01/2017 at 19:25 — Responder

      Susto?? Foi desespero mesmo. ahhahaha
      Ainda bem que deu tudo certo, nem quero imaginar o trabalhão que ia ter se não tivesse encontrado minha mala. No fim, tudo se encaixa!

  2. 14/01/2017 at 22:32 — Responder

    Nossa, que susto, hein?!?! Ainda bem que deu tudo certo! Ficou a experiência! ;)!

    • 17/01/2017 at 19:25 — Responder

      Não é? Foi desesperador na hora. Hoje, é uma boa história para contar. =]

  3. 15/01/2017 at 04:43 — Responder

    Hhahah que susto !! Correu tudo bem, as pessoas no geral são boas, é bom saber isso em qualquer parte do mundo.

    • 17/01/2017 at 19:27 — Responder

      A gente tem que aprender a confiar mais nas pessoas, né? Tem muito mais pessoas boas no mundo que a gente imagina.
      Uma pena que as ruins, que são minoria, acabam ganhando mais atenção e tirando a confiança dos outros.

  4. 15/01/2017 at 07:50 — Responder

    Putz, que perrengue! Sorte que deu tudo certo no final! 😉

    • 17/01/2017 at 19:28 — Responder

      Né???
      O anjinho da guarda estava comigo! E o protetor dos mochileiros também!

  5. 15/01/2017 at 09:51 — Responder

    Ainda bem que deu tudo certo e que era tudo boa gente! Podia ter corrido bem pior! Mas em viagem é mesmo assim, acontece o inesperado e às vezes ficamos em situações difíceis!

    Boas viagens!!

    • 17/01/2017 at 19:30 — Responder

      Podia ter acontecido tanta coisa que nem quero pensar nisso!
      A gente precisa aprender a lidar com as situações que aparecem e a acreditar nas pessoas que aparecem no caminho para nos ajudar.

  6. 15/01/2017 at 10:12 — Responder

    Que desespero. Por mais que eles acreditem em karma eu também passei bons perrengues lá em Bali. Ainda bem que no final deu tudo certo. Abraços.

    • 17/01/2017 at 19:31 — Responder

      Desespeeros… perrengues… quanta história pra contar, né??
      No fim, tudo dá certo!

  7. 15/01/2017 at 15:39 — Responder

    Senti a tensão.., realmente não deve ser nada legal um susto desse durante um mochilão de volta ao mundo. Mas não tenho como não agradecer pela dica de Gili Island. Lindo!! Vou ver sobre ela agora. Obrigado!!

    • 17/01/2017 at 19:34 — Responder

      Gili é sensacional! Uma praia mais bonita que a outra.
      Eu tbm não conhecia até pisar lá. Decidi ir e não me arrependi.

  8. 15/01/2017 at 16:32 — Responder

    Meu Deus! Desespero total… eu ficaria louca, rsrs. Mas fica uma lição pra tds nós: não podemos nos descuidar um segundo. Sempre estarmos perto de nossa bagagem e tudo mais. Tanto que na hora de fazer check in nos aeros do Brasil o atendente pergunta: vc ficou longe de sua bagagem em algum momento?

    Um post bem tenso, rsrs abraços!

    • 17/01/2017 at 19:38 — Responder

      Isso é verdade! Temos que cuidar o tempo todo das nossas coisas.
      Eu só fui pq o motorista garantiu que ia me esperar e entrar naquele banheiro apertado com uma mala nas costas e outra na frente não ia dar.

  9. 15/01/2017 at 18:45 — Responder

    Bem, que susto! Mas ainda bem que tudo correu bem. Você tem razão, os balineses são por norma um povo bom e tentam sempre ajudar. Mas, claro, é sempre bom avaliar as situações.

    • 17/01/2017 at 19:39 — Responder

      Eu só encontrei balineses que me ajudaram. Sempre sorrindo, simpáticos e com boa vontade.
      É claro que existem exceções, tem que saber avaliar mesmo.

  10. 15/01/2017 at 20:51 — Responder

    Xiii, que desespero que deve ter sido ao procurar a van e não encontrar! Mas ainda bem que no final correu tudo bem 🙂

    • 17/01/2017 at 19:41 — Responder

      Sabe que na hora eu achei que estava perdida no meio de tantas vans iguais. Eu sou perdida por natureza, não costumo prestar muita atenção em caminhos, referências etc. É bem normal eu não conseguir voltar para o lugar que estava antes. =P
      Desacreditei quando o moço disse que a van tinha saído. No fim, tudo se ajeitou! =]

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *