BrasilSão PauloSão Paulo (SP)

MUSEU DA IMIGRAÇÃO JAPONESA, NO BAIRRO DA LIBERDADE

Que a cultura japonesa hoje se encontra toda misturada à cultura do Brasil, nós já sabemos, certo? Você já parou para pensar como tudo isso começou? Como os japoneses chegaram até aqui? Todas essas respostas (e muito mais) você encontra no Museu da Imigração Japonesa, que fica no bairro da Liberdade, em São Paulo.

Vamos às apresentações formais. O nome completo é Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil (MHIJB) e ele ocupa 3 andares do prédio da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e Assistência Social – Bunkyo. É o lugar ideal para quem quer conhecer mais sobre a história da vinda dos japoneses para o Brasil, seu período de adaptação, dificuldades enfrentadas… até chegar aos dias de hoje. Tem muita coisa interessante que impactou a agricultura, a gastronomia, a economia e fases bem difíceis, como durante a II Guerra Mundial.

O Museu da Imigração Japonesa no Brasil fica no bairro da Liberdade, em São Paulo, e retrata toda a história dos primeiros imigrantes no país.

 

SOBRE O MUSEU DA IMIGRAÇÃO JAPONESA

O MHIJB foi inaugurado em 1978, como parte das comemorações dos 70 anos da imigração japonesa no Brasil e com o objetivo de preservar a história, documentos e pertences dos primeiros imigrantes que chegaram em terras tupiniquins. Foi também o legado que esses primeiros japoneses deixaram para o Brasil, como forma de agradecer o país que os recebeu. Quer legado mais importante que abrir caminho para tudo o que veio depois?

Dois dos andares (o sétimo e o oitavo) completaram 40 anos agora (em 2018) e o nono andar é mais recente e moderno, inaugurado em 2000. Hoje, o museu conta com um acervo de quase 100 mil itens em 1250 m² de área expositiva, além de uma biblioteca com fotos e documentos, no terceiro andar, que também é aberta ao público.

museu imigracao japonesa_imigrantes
Peças que retratam a adaptação dos imigrantes em terras brasileiras.

 

A VISITA AO MUSEU DA IMIGRAÇÃO JAPONESA

O museu é aberto de terça a domingo, das 13h30 às 17h, e o valor de entrada é de R$ 12,00. Visitas guiadas em grupo podem ser agendadas ou é possível locar um audioguia para obter as explicações.

A entrada é pelo sétimo andar, onde fica a bilheteria e o início da exposição.

 

A chegada dos japoneses

Logo na entrada do museu temos um panorama do cenário histórico no momento em que a imigração começou. Há documentos e fotos que retratam o relacionamento político dos dois países na época, contextualizando o motivo da vinda dos japoneses para o Brasil.

Destaque para as fotos de todos os navios que vieram durante os anos trazendo os imigrantes e para as maquetes do Kasato Maru, o primeiro a chegar em terras brasileiras, em 1908, e para o Brasil Maru, que foi construído especialmente para fazer o trajeto Japão – América do Sul, mas naufragou durante a II Guerra Mundial.

museu imigracao japonesa_kasato maru
Maquete do Kasato Maru, o primeiro navio a trazer imigrantes japoneses para o Brasil.

 

Adaptação às terras brasileiras

Os imigrantes foram enviados para trabalhar na lavoura e foi nesse ambiente de fazenda e mata virgem que tiveram que se estabelecer. Foi uma fase bem difícil. A cabana do imigrante é uma réplica da moradia que eles tinham na época, com utensílios utilizados em seu cotidiano. Há também invenções e adaptações de ferramentas e outros objetos, que foram necessários para a sobrevivência deles.

Importante ressaltar que uma das grandes barreiras para a adaptação foi o idioma e há um espaço reservado para mostrar o primeiro dicionário português – japonês – português, escrito por Wazaburo Otake.

museu imigracao japonesa_casa imigrante
Cabana do imigrante representa as instalações que os japoneses tiveram ao chegar no Brasil.

 

Esportes e lazer

Atividades ligadas à cultura e aos esportes estiveram bastante presentes nos momentos de diversão dos imigrantes no Brasil e foram importantes para preservar as tradições e manter os grupos unidos.

Está gostando desse artigo? Que tal curtir o Bagagem de Memórias no Facebook?


O destaque vai para o judô, que acabou por se tornar um esporte muito praticado no Brasil, e para os cinemas ambulantes, que vieram a se tornar uma marca dos japoneses nos anos subsequentes. Ainda podemos citar o kendo e as diversas atividades ligadas à música, dança e ao teatro, que também fizeram parte do entretenimento dos imigrantes e até hoje são preservadas na comunidade.

museu imigracao japonesa_esportes
Representações de esporte, lazer e cultura que faziam parte da rotina dos imigrantes.

 

Legados na agricultura

A partir do momento que os japoneses deixaram de trabalhar para terceiros para cultivar suas próprias terras, eles passam a explorar diferentes produtos como verduras na região de São Paulo e pimenta do reino no Amazônia. Desenvolveram também novas técnicas de cultivo, máquinas, mas o maior legado que fica foi o movimento das cooperativas agrícolas.

A organização das cooperativas e a produção em quantidade permitiu os primeiros passos para que os japoneses se instalassem em São Paulo, mais precisamente na Rua Conde de Sarzedas, onde começa a influência oriental no bairro da Liberdade.

museu imigracao japonesa_agricultura
Os japoneses deixaram legados na agricultura brasileira.

 

Túnel da guerra

O período da II Guerra Mundial é, para mim, um dos mais marcantes e impactantes da história dos imigrantes. Brasil e Japão eram rivais durante o conflito, por isso os japoneses foram privados de qualquer manifestação de sua cultura – idioma, eventos, música, dança etc foram proibidos, livros, documentos e bandeiras queimados. Tirar a cultura de um povo é uma das coisas mais cruéis que pode ser feita.

Como se não bastasse isso, a própria comunidade se dividiu e entrou em um conflito interno, entre os que acreditavam que o Japão havia ganho a guerra e os que sabiam da sua derrota. Kachigumi versus Makegumi é um capítulo bastante difícil na história dos imigrantes.

museu imigracao japonesa_tunel guerra
O período da II Guerra Mundial foi um dos mais difíceis para os imigrantes japoneses.

 

Uma nova era

Com o fim da guerra as publicações e manifestações da cultura retornam. A imigração é retomada em uma nova fase, não mais para trazer mão de obra para as fazendas, mas com artistas, esportistas, empresários etc. O relacionamento entre Brasil e Japão se estreita e chegam as industrias nipônicas ao país. A comunidade e suas atividades voltam a ganhar força e a se destacar, até chegar onde estamos hoje.

museu imigracao japonesa_poema
Poema da Imperatriz Michiko, apresentado em uma de suas visitas ao Brasil.

Tem muita história nesses 110 anos da imigração japonesa no Brasil!

 

A visita ao Museu da Imigração Japonesa no Brasil fez parte da programação do I Japão.br.

Blogueiros reunidos no Museu da Imigração Japonesa, durante o I Japão.br

 

 

Saiba mais sobre o evento | Veja outros posts sobre o I Japão.br

Parceiros:
Bunkyo | Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil Giro in Sampa | Japan House | Restaurante Espaço Kazu | Hachi Crepe & Café | Hikari Alimentos | Viagema | Laço Cerâmica | Heloisa Yamamoto

Blogueiros participantes:
Bagagem de Memórias | 3, 2, 1… Viajando! | Coisos on the Go | Destinos por Onde Andei… | Fui Ser Viajante | Juny Pelo Mundo | Mapa na Mão | São Paulo Sem Mesmice | Segredos de Viagem | Viagens Cine | Viajante Comum

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Amante da natureza, de aventuras, da cultura asiática e de causas sociais, reside em São Paulo, mas já morou no Japão, na Austrália e no Chile, já deu uma volta ao mundo e está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

10 Comments

  1. 12/11/2018 at 20:29 — Responder

    Que demais! Nunca visitei o local, apesar de ter ido várias vezes na Liberdade. Vou voltar agora em nov e tentar dar uma passadinha por lá! Amo a cultura oriental e quero ir para lá em breve…Japão é meu sonho! 🙂

    • 15/11/2018 at 12:19 — Responder

      Mariana,
      Vale muito a pena conhecer o museu da imigração japonesa. Poucos conhecem os detalhes dessa história que não foi fácil e tem vários exemplos de superação e trabalho em comunidade.
      Um aquecimento antes de ir ao Japão! <3

  2. 12/11/2018 at 21:17 — Responder

    Acompanhei seus stories durante a visita e fiquei curiosa para conhecer essa parte pouco explorada da cidade. Quero fazer esse passeio com vc!

    • 15/11/2018 at 12:21 — Responder

      Gi,
      Vai ser incrível ter você no Japão.br! Se inscreve para os próximos. =]
      Tem muita coisa da cultura japonesa para sex explorada e divulgada em São Paulo e no Brasil.

  3. 13/11/2018 at 09:14 — Responder

    Eu sempre fico maravilhada ao perceber quantas culturas diferentes existem no Brasil. Somos um povo misturado, muitlétnico, multicultural, multireligioso… E recebemos, de braços abertos, imigrantes de vários lugares do mundo… Acho isso muito bonito na nossa nação! Deve ser bem interessante visitar esse museu e conhecer de perto um pouco mais da imigração japonesa. Vou tentar ir na próxima vez que estiver em Sampa.

    • 15/11/2018 at 12:28 — Responder

      Jessica,
      Nosso Brasil é incrível, né? Essa mistura toda é o que faz dele um lugar especial mesmo. Dá pra conhecer e aprender muito sem atravessar fronteiras.
      Conhecer o Museu da Imigração Japonesa, com certeza, é uma dessas oportunidades. Vai sim! =)

  4. Aninha Lima
    13/11/2018 at 09:33 — Responder

    Eu adorei conhecer com vcs esse museu! Admiro demais a cultura Japonesa e adoraria ver um pouco mais de perto! Já está na programação!

    • 15/11/2018 at 12:29 — Responder

      Aninha,
      Se você gosta da cultura, no Museu da Imigração Japonesa muitas coisas começam a fazer muito sentido.
      É uma viagem na história e na cultura. =]

  5. 13/11/2018 at 22:12 — Responder

    Poxa, já estive tantas vezes na Liberdade e nunca fui nesse museu. Vou programar de conhce-lo em uma proxima visita a São Paulo

    • 15/11/2018 at 12:33 — Responder

      Michelle,
      Se programa sim! O Museu da Imigração Japonesa no Brasil tem muita coisa interessante e muita história para contar.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *