Reflexão

Mochilar é…

Um mochilão não é apenas trocar a mala de rodinhas por uma mochila nas costas ou fazer uma viagem mais barata. Adorado por uns e odiado por outros, mochilar é uma escolha por um estilo de trip que te proporciona uma maior imersão na cultura local, experiências únicas e muitos amigos novos.

Mochileiros não são vagabundos, não são sujos e nem bicho-grilo (ok, alguns até são, mas não dá para generalizar). Na minha opinião, são apenas pessoas com a cabeça aberta e dispostos passar por um perrengue ou outro em busca de aventura, diversão e histórias para contar.

Não tem muita regra. Já conheci mochileiros beirando os 70 anos, uma que cortava o cabelo a cada 2 semanas em salão, um casal viajando com um bebê que ainda engatinhava e pessoas muito bem de vida que mochilavam por curtir o estilo.

Leia também: O que eu perdi mochilando

Então, mochilar é…

 

… ter liberdade

Mochilar é ter a liberdade de ir e vir quando quiser, fazer o que tiver vontade e ser você mesmo.

É poder dormir até mais tarde quando estiver cansado, poder ficar na praia até o sol se por, conseguir aquela foto exclusiva sem um monte de turistas, é não seguir horários de tours organizados.

É sair na rua com a roupa que quiser, a mais confortável possível, sem se preocupar com o que os outros vão pensar. É ir pra balada sem maquiagem (se quiser). É deixar os padrões sociais um pouco de lado e ser a gente mesmo.

É não ter planos e estar aberto para o acaso, para um convite para jantar, um passeio de bicicleta ou se perder pela cidade. É estar bem se estiver em grupo ou ter a liberdade de estar sozinho.

cappadocia-turkey-travel-hot-air-balloon-landscape-1

 

… conhecer gente

Mochilar é conhecer gente do mundo todo, seja no quarto do hostel, na mesa do bar ou no ponto de ônibus. É fazer amigos em minutos que, depois de algumas horas, parecem te conhecer há anos.

É convidar alguém para dar uma volta de bike naquele dia que você está sozinho. E receber um convite para dividir as compras do mercado e cozinhar juntos o jantar.

Está gostando desse artigo? Que tal curtir o Bagagem de Memórias no Facebook?


É estar aberto a novas culturas, novos pontos de vista e novas formas de ver o mundo. É ter o horizonte sempre em expansão.

É saber se despedir daquelas pessoas que você considera como amigos próximos em poucos dias de convivência, sabendo que provavelmente nunca mais vão se ver (ou não). É saber administrar a saudade, porque ficou a certeza de que cada segundo valeu a pena.

Photo via VisualHunt

 

… se divertir

Mochilar é se divertir como nunca. É ter um dia cheio de coisas novas para conhecer, passar a madrugada tomando cerveja e jogando conversa fora ou virar a noite na balada mais esquisita da cidade. É achar graça no tombo da bicicleta e, em gargalhadas, correr pra não perder o último trem do dia.

É rir até a barriga doer e chorar quando a saudade aperta. É sorrir ao lembrar daquela pessoa especial que conhecemos na estrada, salivar ao falar do melhor sanduíche que você já experimentou (e foi em uma feirinha de rua) e ter aquele sentimento nostálgico ao rever as fotos.

No fim, a gente dá risada sozinho e entende que a felicidade está nos pequenos detalhes e nos momentos mais inusitados. Assim, percebemos que a vida merece ser muito bem vivida, um dia de cada vez.

happiness-back-side-woman-young-girl-person

 

… ter histórias para contar

Mochilar é ter muita história para contar, como o dia que você pegou o trem errado, que se perdeu e conheceu um lugar inesperado ou quando mudou todos os seus planos porque recebeu um convite de um desconhecido e resolveu aceitar.

É enfrentar perrengues que aparecem nas mais variadas formas – uma comida que não fez bem, um passaporte perdido, uma noite sem cama para dormir, um ônibus que não é do jeito que você esperava. Na hora é um desespero, mas depois a gente dá risada de tudo.

É viver sem luxos, com conforto na medida do possível. É passar por experiências que vão render horas de assunto e risadas no futuro, porque o momento presente foi vivido intensamente.

Photo via VisualHunt

 

… se perder

Mochilar é se perder nas ruazinhas de uma cidade, tomar o caminho errado em uma trilha ou andar quarteirões na certeza que chegará ao seu destino e descobrir que foi para o lado contrário.

É andar sem rumo, sem guia, sem preocupações e descobrir, meio que sem querer, um lugarzinho incrível e escondido que está fora das rotas turísticas tradicionais.

É tomar o ônibus para o sentido errado, descer em qualquer estação e mudar os planos, já que o destino nos levou para um novo lugar a ser explorado.

É se perder dentro da gente mesmo, se conhecer mais, desconstruir verdades e se tornar uma pessoa melhor a cada dia.
camera-travel-map-directions-information-tourism

 

… se encontrar

Mochilar é se encontrar. Se encontrar sem noção do tempo que passou, da quantidade de experiências vividas e da intensidade  de momentos que marcaram. É se enxergar nas dificuldades dos outros e ter mais consciência da consequência de cada ato.

É compreender culturas e pessoas diferentes. É saber que momentos vão e vem, mas os aprendizados e as lembranças ficam. É entender que viagens transformam a gente e que temos o poder de impactar outras vidas.

É se encontrar nas certezas do que é importante para a nossa vida. É tirar as máscaras e assumir os nossos valores. É acreditar em mudanças, começando pelas nossas.

(Foto: VisualHunt.com)

 

E pra você, o que é mochilar?

 

 

* Todas as imagens: visualhunt.com

 

Leia mais:

Aquela viagem da qual eu nunca voltei

Sou mulher e viajo sozinha sim

5 filmes que inspiram viagens

Comer, viajar e o tal do slow travel

10 motivos para viajar o mundo

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Amante da natureza, de aventuras, da cultura asiática e de causas sociais, reside em São Paulo, mas já morou no Japão, na Austrália e no Chile, já deu uma volta ao mundo e está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

24 Comments

  1. 23/12/2016 at 10:14 — Responder

    Linda matéria, mochilar é um lifestyle emocionante.

    • 26/12/2016 at 14:56 — Responder

      Obrigada, Fábio! =]
      Com certeza, bota emoção nisso!

  2. 23/12/2016 at 10:50 — Responder

    Mochilar é estar livre, uma oportunidade de se encontrar com seu eu interior e adquirir experiências incríveis. Parabéns pelo o artigo!

    • 26/12/2016 at 14:56 — Responder

      Obrigada, Luan!
      Liberdade define muito! =]

  3. 23/12/2016 at 11:17 — Responder

    Delícia de reflexão, mochilar não é apenas colocar uma mochila nas costas e viajar por aí. Vou fazer meu 1 mochilão para África do Sul e depois volto aqui para contar minha experiência.

    • 26/12/2016 at 14:57 — Responder

      Que legal, Paloma!!
      Conte-me mais depois sim!!! =]

  4. 23/12/2016 at 11:34 — Responder

    Que lindo texto, Patricia! Adorei! Me deu até vontade de mochilar, apesar de achar que têm vários aspectos práticos dele que não são muito a minha cara! kkk
    Bjs! 🙂

    • 26/12/2016 at 14:58 — Responder

      hahahaha…
      Acho que a gente sempre precisa tentar antes de dizer se é nosso estilo ou não. Vc pode adaptar algumas coisas. =]
      bjo

  5. 23/12/2016 at 11:44 — Responder

    Mochilar, para mim, é estar com a cabeça aberta a novas experiências e muita disposição para encarar todo tipo de viagem. Sempre mochilei muito e trouxe experiências incríveis. Agora, minha filha está crescendo e vamos já inserí-la nessa filosofia. Porque viajar ela já adora. Abraços!

    • 26/12/2016 at 14:59 — Responder

      Que delícia!! Crescer com esse espírito mochileiro deve ser incrível. Gostaria de ter começado cedinho assim. =]

  6. Cris
    23/12/2016 at 13:32 — Responder

    Adoro a ideia de viajar livre, sem ficar amarrado a guias e destinos batidos!

    • 26/12/2016 at 15:00 — Responder

      É se dar a chance de conhecer algo diferente e de ter novas experiências, né? =]

  7. 23/12/2016 at 13:32 — Responder

    Que texto lindo! Profundo e poético!
    Viajo com uma malinha de rodinhas, mas vivo muito do que você falou aí!
    Amei!

    • 26/12/2016 at 15:01 — Responder

      Obrigada, Gê!
      Não importa a mala, não importa o estilo. O que vale é aproveitar cada momento e aprender com eles! =]

  8. 24/12/2016 at 01:31 — Responder

    Muito legal a reflexão. Para mim, mochilar é voltar um pouco diferente após cada viagem.

    • 26/12/2016 at 15:01 — Responder

      Obrigada, Fabio!
      Viagens são transformadoras mesmo. É só a gente se abrir para elas. =]

  9. 24/12/2016 at 10:11 — Responder

    Muito bom!
    Pra mim, não é preciso muitas definições. O negócio é viajar e fazer aquilo q faz bem! Cada um tem um estilo, mas o mais importante é estar aberto aos aprendizados. E mochilar nos permite aprender muuuito!

    • 26/12/2016 at 15:02 — Responder

      Com certeza, Adriana!
      Por mais viagens que deixem aprendizados na bagagem e lembranças na memória! =]

  10. 24/12/2016 at 15:13 — Responder

    Em março mochilaremos pela Tailândia! Pense numa ansiedade rsrsr! Adorei o seu post, mochilar é tudo isto ai mesmo!

    • 26/12/2016 at 15:03 — Responder

      Wooowww!!!
      Tailândia é tudo de bom! E o paraíso dos mochileiros, não por acaso.
      Boa viagem! Depois voltem para contar como foi. =]

  11. 25/12/2016 at 12:51 — Responder

    Para mim, mochilar é viajar! Por ser estudante, não me sobra dinheiro, e eu tenho que recorrer aos métodos mais baratos para que eu possa continuar viajando. É, portanto, o que me permite viver o mundo! 🙂

    • 26/12/2016 at 15:05 — Responder

      É isso, Ester!
      Temos que encontrar nossos meios de viajar, de acordo com o que podemos e/ou queremos. Não existe um estilo certo, cada um faz o seu.
      Comecei a mochilar pelo lado financeiro tbm, mas continuo pelo estilo. =]

  12. 27/12/2016 at 20:11 — Responder

    Coincido totalmente com sua matéria já que meu marido e eu passamos 9 meses “mochiliando” pelo sudeste asiático e todas suas definiçãoes foram presentes em nosso viage de mochileiros, sobre todo lá de se perder, kkkk.

    • 28/12/2016 at 18:20 — Responder

      9 meses pelo sudeste asiático. Que delícia!!!
      Se perder, literalmente, acontece muito. hahahaha

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *