AmsterdamEuropaHolandaMemórias da Viagem

Memórias da Viagem: Amsterdam (por Simone Shoji)

No Memórias da Viagem de hoje a Simone vai nos contam sobre Amsterdam. Ela esteve lá duas vezes – em 2012 e em 2014, em diferentes épocas – inverno e primavera. Aqui ela nos conta como foram os passeios e qual a diferença entre as estações.

Veja também os outros posts da série “Memórias da Viagem“, feitos por convidados. Quer participar? Entre em contato conosco.

 

Memórias da viagem para… 

Amsterdam. Fui em fevereiro de 2012 e fiquei 2 dias, depois em abril de 2014, por 3 dias. Sim! Fui de novo!!! 

O lugar mais conhecido de Amsterdam
O lugar mais conhecido de Amsterdam

 

 

Roteiro na bagagem

Nada muito planejado na primeira visita, porque eu já tinha desistido de conhecer Amsterdam antes de embarcar para a Europa porque não tinha encontrado passagens baratas de avião. Deixei me perder pelas ruas e canais. 

Na segunda vez, visitei o Van Gogh Museum e Keukenhof, o parque das tulipas que fica em Lisse. De resto, só me perder de novo pelos canais. 

 

Canal congelado
Canal congelado

 

Compartilhando memórias

 Em 2012 fui sozinha, porém com um grupo de umas 45 pessoas da mesma agência de turismo. Em 2014 fui sozinha mesmo!

Simone apreciando os bulb fields de Keunkenhof
Simone apreciando os bulb fields de Keunkenhof

 

 

 Transporte da bagagem

Conforme o pacote contratado em 2012: saímos de ônibus de Londres e fomos até Dover, cidade litorânea da Inglaterra (e com visual incrível). Lá pegamos o ferry que faz a travessia do Canal da Mancha e chegamos em Calais, litoral da França. Então o ônibus seguiu viagem até a Holanda. Como eu estava morando em Londres, contratei essa viagem com uma agência de turismo local, porque o preço compensava bastante (incluía o ônibus fretado, a passagem do barco, city tour por Amsterdam e Volendam, além de hospedagem em business hotel). Na cidade, utilizei o tram.

Na segunda visita, cheguei de trem em Amsterdam na Estação Central e fiz tudo à pé dessa vez. Longas caminhadas, mas tinha tempo o suficiente para isso. Para o Keukenhof peguei o trem até Leiden e depois o ônibus até o parque.

As conhecidas casas-barco de Amsterdam
As conhecidas casas-barco de Amsterdam

 

 

Por que Amsterdam?

Como arquiteta (ou quase isso), já tinha ouvido falar muito da Holanda. Desde a formação dos Países Baixos, dos canais e da Veneza do Norte…  até os belos exemplares da arquitetura contemporânea. O conjunto disso tudo me pareceu ser atrativo o suficiente para uma viagem.

Depois voltei porque estava na Europa na época de florada das tulipas e queria ver os bulb fields… e porque eu gostei demais desse lugar! 

Keukenhof bulb fields
Keukenhof bulb fields

 

 

Principais memórias

Museu Van Gogh, Casa de Anne Frank, passeio de barco pelos canais, Nemo, Rijksmuseum, a estação das bicicletas, o Red Light District…

Está gostando desse artigo? Que tal curtir o Bagagem de Memórias no Facebook?


Red Light District
Red Light District

 

 

Memória do estômago

Space cake (oh… wait!) – stroopwafel (doce típico) e queijos. 

Stroopwafles
Stroopwafles

 

 

A memória que ficou na bagagem

A de 2012 foi subir até o terraço da Biblioteca Municipal (de graça e depois de descobrir o lugar sem querer) e ter aquela vista! Sabe quando você encontra o seu lugar fora de casa? O meu lugar na Holanda era ali. A biblioteca inteira era muito interessante, como espaço de leitura e convivência. O restaurante/café no último andar era muito aconchegante, preço justo. 

Biblioteca pública de Amsterdam
Biblioteca pública de Amsterdam

 

Foi um ano de neve tardia no inverno europeu. Já era fevereiro quando começou a nevar. A cidade ficou branquinha depois de uma tarde e uma noite inteiras com neve. Nunca senti tanto frio na vida! Meus pés congelaram mesmo com 3 meias, porque ninguém me avisou que mesmo no frio os pés transpiram e ficam gelados! A temperatura era de -18 graus pela manhã. Os canais congelaram! Havia pessoas caminhando e patinando sobre os mais estreitos. E as casas-barco! E as bicicletas… Ahhh! Quantas bicicletas! E cuidado ao ouvir um sininho!

Cidade branquinha depois da neve
Cidade branquinha depois da neve

 

Em 2014 foi ver os campos floridos e muito coloridos de tulipas! Foi tão especial que foi como se o tempo parasse. Foi tão lindo que tive vontade de chorar.

Bulb fields em Keukenhof
Bulb fields em Keukenhof

 

Voltar ao mesmo terraço da Biblioteca Municipal num dia de quase verão, com sol até quase 22h30, e ver a cidade sem neve. Voltar aos lugares que você ama é provavelmente uma das melhores sensações da vida. 

A vista do terraço da biblioteca
A vista do terraço da biblioteca

 

 

Atenção com a bagagem!

Comprar drogas e consumir nos coffee shops é legal, mas é ilegal sair com elas destes lugares.  

Comprar passeios nas agências de turismo locais (montes delas nas proximidades da Dam Square). Além de ficar preso a grupos enormes, os passeios são muito caros! Eu teria gasto 3x o que gastei no meu dia inteiro no Keukenhof por um passeio de meio período.

Keunkenhof
Keunkenhof

 

 

Dicas do viajante

Não tirar fotos (descaradamente) das trabalhadoras do Red Light District. A prostituição não é ilegal lá e as fotos não são permitidas. 

Comprar múltiplas viagens do tram ou, dependendo do número de viagens, comprar o Travel Card (mais de 4 viagens num dia já compensam).

Deixar-se perder pela cidade, conhecer os canais, encontrar o mercado de flores, a casa de Rembrandt… Alugar uma bicicleta e pedalar por aí… O trânsito de bicicletas é uma loucura lá! Inevitavelmente você vai ser surpreendido por um sininho!

Estacionamento de bicicletas
Estacionamento de bicicletas

 

O famoso letreiro “I Amsterdam” tem uma versão fixa na Museumplein (Praça dos Museus) e outra que aparece a cada dia num ponto diferente da cidade… se você quiser garantir uma boa foto, vá bem cedinho ou no fim da tarde à Museuplein.

Se você quiser visitar os principais museus de Amsterdam, compre os ingressos com horário marcado, para evitar as filas. Gosto muito de Van Gogh e não tinha conseguido ingressos para visitar o museu da outra vez, então garanti o meu ingresso na bilheteria de ingressos antecipados na Museumplein.

Para visitar a Casa de Anne Frank, vá no primeiro horário ou no fim do dia.

 

Quer saber mais sobre a viagem da Simone? Deixe suas dúvidas aqui nos comentários! 

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Amante da natureza, de aventuras, da cultura asiática e de causas sociais, reside em São Paulo, mas já morou no Japão, na Austrália e no Chile, já deu uma volta ao mundo e está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *