ÁsiaLaosLuang Prabang

Luang Prabang, como não amar?

Quando se fala sobre sudeste asiático logo lembramos de Tailândia, mas o Laos fica meio esquecido pelos brasileiros e muitos nem sabem da existência desse país. O Laos tem um tamanho considerável e, apesar de ser um país pobre, tem muito a oferecer aos turistas e viajantes.

Luang Prabang é uma cidadezinha que fica ao norte, às margens do Rio Mekong e ganhou meu coração. Eu simplesmente amei cada segundo dos 5 dias que passei por lá, voltaria outras vezes e recomendo a visita.

O centro turístico de LP está repleto de restaurantes simpáticos e cafés confortáveis, perfeitos para ficar por horas e horas vendo o pacato movimento da cidade e sentir o clima do local. Motos e bicicletas cruzam as ruas silenciosamente (ao contrário de outras cidades do sudeste asiático, raramente se ouve uma buzina), mas é fácil saber se o carrinho do sorvete está chegando quando aquela música que passa dias na sua cabeça começa a tocar (convenhamos que é muito mais divertido ouvir uma música e saber que é sorvete e não o caminhão de gás!).

Quando o sol se põe o movimento já não é mais tão pacato assim. Tendas começam a surgir pela rua principal e embaixo delas tapetes são estendidos e cobertos por calças, sarongs, artesanatos, chás, sapatos e por aí vai. É o night market de Luang Prabang se armando, por volta das 18h. Vale a visita, seja para fazer compras ou só para passear. É um dos melhores e mais organizados night markets da Ásia, na minha opinião (e praticamente toda cidade do sudeste asiático tem um). Os preços são melhores que na Tailândia ou Camboja, mas ainda assim vale pechinchar. A melhor parte é que não existe pressão, você pode ver as coisas com calma, sem pressa, sem uma dúzia de pessoas gritando “lady, buy from me” no seu ouvido e com a senhorinha correndo atrás de você se não concluir a compra.

Night market de Luang Prabang

 

Se você não está no clima das compras, que tal jantar por lá? Opções de comida não faltam, basta entrar na primeira rua à esquerda para encontrar os famosos buffets de 15.000 kip (menos de $2) pelo “coma à vontade” com apenas duas regras: você tem direito a encher o prato uma única vez e todas as carnes são cobradas a parte, o que lhe custará mais 1 ou 2 dólares. Se isso não te apetecer, você ainda encontra espetinhos de variadas carnes, dumplings, crepes franceses, fruit shakes etc, não só nessa rua, mas ao longo de todo night market. O peixe pescado no Mekong é uma delícia (e olha que eu não gosto muito de peixes) e as rice pankakes também valem a pena!

Se quiser curtir a noite fora do night market, escolha um restaurante bacana para jantar e depois siga para o Utopia, o barzinho mais badalado da cidade, à beira do rio Khan, para uma cerveja ou uma partida de vôlei (sim, tem uma quadra de vôlei de praia lá!). Eles também servem comidas e têm aulas de yoga pela manhã. O lugar é tranquilo, até rola uma música, mas não é para curtir noite a dentro. Às 23h as luzes se acendem, a música para e todo mundo segue para seus hotéis/hostels (ou para um tal de boliche, que parece ser o único lugar aberto na madrugada).

Prepare-se para cair da cama às 5h da manhã pelo menos um dia. Ver a ronda das almas é programa obrigatório para quem está em Luang Prabang. Lá pelas 5h30 os monges saem dos templos, onde moram, e caminham pelas ruas da cidade. Muitas pessoas dedicam seu tempo diariamente para preparar comida para doar. Os alimentos recolhidos pela manhã são a única comida que eles tem para todo o dia. Isso virou uma atração e muitos turista também participam da ação, você pode comprar umas bananas e snacks no mercado ou algo das mocinhas que ficam na própria rua vendendo comida para ser doada. Caso queira só assistir, não seja sem noção e desligue o flash da sua câmera, por favor! Sei que as fotos no escuro não vão sair tão boas, mas respeito é bom e todo mundo gosta. Não encare essa cena apenas como “fui lá tirar uma foto” ou “eu também doei comida para eles”, reflita sobre o significado desta ação. Você confiaria algo como “toda a sua comida do dia, todos os dias”, ou seja, sua sobrevivência, a pessoas que você não conhece?

Ronda das almas - Luang Prabang, Laos
Ronda das almas. Momento mágico

 

Falando em monges e templos… eles estão aos montes pela cidade. Alguns merecem visita, como o Wat Xieng Thong, praticamente às margens do Rio Mekong, ou Wat Sop Sickharam, que fica na mesma rua do Night Market. Lembre-se que para entrar nos templos é preciso se vestir apropriadamente, isso significa roupas que cubram os joelhos e os ombros.

Outra atração imperdível da cidade é subir o Phou Si Hill, que fica bem no centro da cidade. É um local religioso, mas a maioria das pessoas sobem para apreciar a paisagem ou o por do sol. A subida não é tão puxada e a vista vale a pena! Chegue cedo se quiser um lugar privilegiado, não há muito espaço por lá e todos os turistas sobem na mesma hora. E garanta o repelente porque os pernilongos fazem a festa por lá. Ah! É preciso pagar 20.000 kip para entrar.

Falando em por do sol, o espetáculo diário no Rio Mekong é fantástico e grátis. Procure um lugar às margens do rio ou tome um café ou uma cerveja em um dos restaurantes que ficam por ali e espere para ver um por do sol lindo, que faz parte dos top 5 da minha lista.

Por do sol no Rio Mekong.  Dispensa explicações.
Por do sol no Rio Mekong. Dispensa explicações.

A principal atração de Luang Prabang fica afastada do centro. Visitar as cachoeiras é obrigatório para quem passa pela cidade, se você tiver apenas 1 dia por lá é isso que você deve fazer. Dá para ir de ônibus organizados pelos hostels ou hotéis. Se quiser ter mais flexibilidade de horário ou se tiver em pelo menos 3 pessoas vale negociar um tuk-tuk para o dia. Veja que eu disse negociar, barganhe o preço. Quanto mais pessoas, mais barato vai ficar.

Está gostando desse artigo? Que tal curtir o Bagagem de Memórias no Facebook?


A mais famosa é a Kuang Si Waterfall e dá para entender porque todo mundo quer ir para lá. Suas águas super azuis fazem a viagem valer a pena. Logo na entrada há umas jaulas com ursos, continuando a caminhada você vai encontrar a área de banho. Não pare por lá e continue subindo, a cachoeira no topo é super bonita, passe algum tempo a apreciando. Depois volte para a área de banho para um mergulho gelado.

Se tiver tempo, aproveite o mesmo tuk-tuk para te levar para a Tad Sae Waterfall. Menor e não tão bonita quanto a primeira, mas muito mais tranquila se quiser curtir o local. Como toda cachoeira, a água é super gelada, mas faz muito calor em LP então vai ser um banho refrescante.

Kuang Si Waterfall: água azul e gelada

 

Outro lugar bastante visitado é a Budha Cave, também conhecida como Pak Ou Caves. É um templo dentro de uma caverna, cheio de imagens de Budha. Para chegar lá só de barco, pois sua entrada fica literalmente no Rio Mekong. Dá para pegar um barco da cidade ou um tuk-tuk até a outra margem e um barco apenas para cruzar o rio.

Opções de trekking pela região não faltam, assim como cycling tours e passeios de elefante. Se não quiser se juntar a um tour organizado, que tal explorar os arredores do seu jeito? Alugue uma bicicleta e pedale por aí, veja a cidade que existe fora do circuito turístico e tente chegar ao templo dourado que você consegue ver do topo do Phou Si Hill.

Luang Prabang, muito para explorar

 

Independente do seu estilo de viagem, Luang Prabang consegue agradar a todos. Natureza, religião, gastronomia, aventura, compras, paisagens, lugar para relaxar etc. Aproveite a cidade e tudo o que ela tem a oferecer!

 

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Amante da natureza, de aventuras, da cultura asiática e de causas sociais, reside em São Paulo, mas já morou no Japão, na Austrália e no Chile, já deu uma volta ao mundo e está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

2 Comments

  1. Gata Balinesa
    01/08/2015 at 19:15 — Responder

    Gostei do post. Só vi agora 🙁 eu não freqüento muito teu blog, só vi umas duas vezes… Mas me responde uma coisa: no Laos tem praia?

    • 02/08/2015 at 11:53 — Responder

      O Laos não tem praia.
      Volte mais vezes!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *