Belo HorizonteBrasilMinas Gerais (MG)Museus

Inhotim – O que você precisa saber

Instituto Inhotim, um dos museus mais famosos do Brasil, entre os mais bem avaliados do mundo e o maior centro de arte a céu aberto da América Latina. Precisa acrescentar mais currículo para te convencer que vale a visita? Pois bem, são 23 galerias de arte espalhadas em uma área de 140 hectares e em meio a um dos jardins botânicos mais ricos do Brasil.

É mais que uma visita ao museu. É uma experiência que sensorial que estimula todos os sentidos com suas esculturas, fotos, vídeos, jardins e outros tipos de arte mais inusitadas como uma piscina para dar um mergulho ou uma rede para descansar uns minutinhos depois de um dia inteiro andando. Algumas das obras e galerias são permanentes, já outras são atualizadas periodicamente, de acordo com a curadoria do museu.

Inhotim oferece visitas guiadas gratuitas com diferentes temas. Não é preciso agendar, basta comparecer no ponto de encontro, que fica logo após a bilheteria, no horário marcado. A visita panorâmica dá uma visão geral do museu. A visita ambiental, como o nome diz, foca na parte botânica e na preservação da biodiversidade. E a visita de arte te induz a uma reflexão sobre as obras contemporâneas que compõem o acervo. Mais informações: www.inhotim.org.br/visite/visitas-orientadas.

A estrutura por lá é top. Tudo muito bem conservado e os funcionários se mostraram sempre gentis e prestativos. Na hora que a fome bater, escolha entre os 4 restaurantes para almoçar ou uma das 6 lanchonetes para uma opção mais rápida e barata.

Vale lembrar que não é permitido alimentar os animais ou levar animais domésticos. Também não pode fazer piquenique ou entrar com comida.

Inhotim 04
Arte em forma de bancos para relaxar na sombra

 

Como chegar?

Inhotim fica na cidade de Brumadinho, cerca de 60km de Belo Horizonte. Para quem vai de carro, basta seguir pela BR-381 e prestar atenção às placas que indicam Brumadinho e Inhotim. A estrada é tranquila.

Se a opção é transporte público, a Saritur opera a rota BH – Inhotim, com saída às 8h15 da rodoviária e retorno no horário que o museu fecha.

Há ainda uma van que sai do bairro Savassi aos sábados, domingos e feriados. É preciso fazer reserva por telefone.

Mais informações: www.inhotim.org.br/visite/como-chegar

Inhotim 06
Viewing Machine, de Olafur Eliasson

 

Quando ir?

Em qualquer dia ensolarado que não seja uma segunda-feira. Apesar das galerias serem fechadas, é um museu a céu aberto e o lugar é muito bonito. A chuva não impede o passeio, mas com certeza a experiência não vai ser a mesma.

Inhotim 03
Sem título, Edgard de Souza

 

Quantos dias?

Depende do seu estilo e do que você quer ver. Amantes da arte moderna e da fotografia podem dedicar 2 dias para conhecer o museu. Inhotim é um prato cheio para vocês.

Está gostando desse artigo? Que tal curtir o Bagagem de Memórias no Facebook?


Se você é como eu, que não entende bulhufas de arte moderna, dá pra fazer muita coisa em um dia só. Não entrei em todas as galerias, algumas fiquei um tempo considerável, já outras passei bem rápido.

Mesmo que você não goste de arte, vale conhecer Inhotim. Só o jardim botânico enorme e os lagos verdes compensam a visita. É bem bonito e muito bem conservado.

Inhotim 05
Lagos e um belo trabalho de paisagismo fazem parte de Inhotim

 

Ingressos

Inhotim abre de terça a domingo, inclusive aos feriados, às 9h30. O local fecha às 16h30 em dias úteis e às 17h30 aos sábados, domingos e feriados.

Os ingressos podem ser adquiridos na entrada do museu (pagamento em dinheiro ou cartão) ou online.

Entrada de terças e quintas: R$ 25,00

Sextas, sábados, domingos e feriados: R$ 40,00

Quartas: gratuito

Crianças de 6 as 12 anos, idosos acima de 60 anos e estudantes pagam meia entrada.

Menores de 5 anos e participantes do programa Amigos do Inhotim não pagam.

Mais informações: www.inhotim.org.br/visite/ingresso

Inhotim 02
Narcissus Garden, de Yayoi Kusama

 

Como circular?

A primeira opção é ir a pé. O lugar é bem grande, então prepare-se para andar o dia todo. Lembre que a maior parte é aberta, então se tiver muito sol, você vai andar no sol. Se tiver muito frio, você vai andar no frio. E se chover, você vai se molhar.

Os caminhos são bem demarcados, no geral são pavimentados, mas tem alguns trechos de terra. A sinalização é boa, mas em alguns lugares poderia ser melhor. Não é difícil encontrar placas com o mapa do local espalhados por lá e sempre é válido ter o mapinha que você pode pegar na entrada, quando comprar seu ingresso.

A outra opção é pegar o transporte interno, um carrinho elétrico (parecido com aqueles de golf) que circula em trajetos determinados. É válido se você pretende visitar as galerias que ficam mais distantes, se tiver com pouco tempo ou se tiver com preguiça de caminhar mesmo. É perfeitamente possível fazer tudo andando, basta um pouco de disposição. O valor é de R$ 25 e você tem que pagar na entrada, junto com o ingresso.

Mapa de Inhotim (clique para abrir o pdf)
Mapa de Inhotim (clique para abrir o pdf)

 

Leia mais:

Memórias da viagem: Cidades históricas de Minas Gerais (por Kellen Bittencourt)

10 dicas para passagem aérea barata

Memórias da viagem: Capitólio (por Tieko Shimizu)

Hora de planejar a viagem

 

 

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Amante da natureza, de aventuras, da cultura asiática e de causas sociais, reside em São Paulo, mas já morou no Japão, na Austrália e no Chile, já deu uma volta ao mundo e está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *