ExtremaMinas Gerais (MG)

Extrema – Rota dos Ventos e Rota das Águas

O passeio por Extrema continua! Se você não leu o último post, confira aqui para saber um pouco mais sobre esse local.

Depois de desfrutar do visual da Pedra das Flores, voltamos ao centro da cidade para deixar o guia. Aproveitamos para agendar o dia seguinte direto com ele (pela metade do preço da agência), e já que estávamos por lá, passamos no mercado para fazer umas comprinhas básicas – água, guloseimas e uma cervejinha.

Ficamos hospedados em uma pousada perto da rampa de vôo de asa delta e a ideia era voltar antes de escurecer, mas nos perdemos no tempo e, consequentemente, perdemos o por-do-sol. Dica: se programe para vê-lo de um lugar alto. Dizem que vale a pena. Dica 2: A noite nas montanhas é bem gelada. Vá com a mala preparada para isso!

Na manhã do dia seguinte encontramos nosso guia e subimos o Pico dos Cabritos, localizada no parque de mesmo nome, também parte da Rota dos Ventos. Essa é uma propriedade particular e o acesso só é permitido com a companhia de um guia local (não é possível subir por conta). Alguns minutos de super subidas que deram trabalho para o motor do carro e chegamos ao topo da montanha. O lugar possui uma paz incrível e tem uma vista bonita, mas não se compara ao visual da Pedra das Flores.

IMG_2799

Também é possível chegar ao topo por uma trilha que exige um preparo físico um pouco melhor. Se o carro já sofreu para subir, fico imaginando o que eu teria passado…

Depois de algum tempo apreciando a paisagem, descemos pelo mesmo caminho e fomos em direção ao Parque da Cachoeira do Salto. É um lugar agradável, mas tinha muita gente. De fato, tinha uma cachoeira, mas esperava uma coisa mais natureza. O local tem uma boa estrutura – restaurante, lanchonete, banheiros, parquinho para as crianças – além de passarelas que facilitam chegar na parte de cima da cachoeira. Não é permitido nadar, pois a correnteza é muito forte e segundo o guia, dependendo do lugar para onde ela te levar, a força de água te joga para baixo e você não consegue voltar para superfície. As placas não impediram que as pessoas molhassem os pés, ficassem pulando de pedra em pedra ou nadassem nas partes que a água fica parada (e nojenta). Se tiver com o tempo apertado, não passe por aqui. Não tem muito o que fazer e a cachoeira não é tudo isso.

Parque Cachoeira do Salto - Extrema/MG

Saindo de lá, fomos para o Rio Jaguari, na Rota das Águas, onde acontecem campeonatos de rafting. O lugar estava fechado, mas passamos por baixo de uma grade para entrar. Lá é bem mais bonito e bem mais natureza! A estrutura é menor também, mas estão construindo algumas casas e, em breve, isso deve mudar. Também estava bem mais vazio – apenas algumas pessoas aproveitando o dia com uma churrasqueira portátil e duas crianças brincando de rafting com um colchão inflável. Do outro lado do rio fica o Hotel das Amoreiras, o único hotel cinco estrelas da cidade.

Rio Jaguari - Extrema/MG

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Amante da natureza, de aventuras, da cultura asiática e de causas sociais, reside em São Paulo, mas já morou no Japão, na Austrália e no Chile, já deu uma volta ao mundo e está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

2 Comments

  1. JOSÉ ROBERTO
    12/05/2015 at 10:39 — Responder

    VOCÊ VISITOU MONTE VERDE EM MG. SEGUE AI A SUGESTÃO SE VOCE NÃO FOI ATÉ LÁ. RECOMENDO.

    • 12/05/2015 at 19:48 — Responder

      José Roberto,
      Ainda não, mas está na minha lista!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *