BratislavaEslováquiaEuropaMundoViena

Bratislava: um bate-volta de Viena

Desde 1993, quando a antiga Tchecoslováquia se separou em dois países, Praga, a capital da República Tcheca, virou a estrela dos turistas e a Eslováquia ficou meio esquecidinha. Um pouco injusto, talvez.

Para quem está em Viena, na Áustria, que tal dar um pulinho em Bratislava, a capital eslovaca? Conhecer mais uma cidade e adicionar mais um país do mapa não parece ruim, né? A cidade é pequena, mas é uma graça e fica pertinho, há cerca de 1 hora de trem apenas. Dá para ir pela manhã, passar o dia por lá e voltar no fim da tarde ou a noite.

A passagem de trem é 16 euros para ida e volta e inclui o ônibus dentro da cidade para o dia. As viagens de trem são diárias, operadas pela OBB e partem praticamente de hora em hora, o que dá uma boa flexibilidade para o planejamento e garante que os trens não estejam super lotados. Para quem for em alta temporada é recomendável comprar as passagens com uma certa antecedência, se for em baixa não há necessidade. Para mais informações sobre os trens, clique aqui.

Atenção! Pegue o trem que vai para a estação central de Bratislava (Bratislava Hlavná Stanica). Alguns vão para Petrzalka, que é uma estação nos subúrbios da cidade e o deslocamento até o centro é um pouco mais complicado, além de, segundo um funcionário da empresa de trens que fui pedir informação, não ser o melhor local para turistas desembarcarem.

Também é possível fazer esse mesmo trajeto de ônibus e quem faz o percurso é a Eurolines. Outra opção é fazer um passeio de barco pelo Danúbio que passe pela cidade.

Uma vez na estação de trem de Bratislava, procure pelo ônibus 93 ou X13 para chegar ao centro histórico (na volta, use o 93. É mais frequente). São ônibus de linha, transporte público comum mesmo, e tenha um mapa em mãos ou pergunte onde descer para não ir parar do outro lado da cidade e longe do centro. Se quiser caminhar, são cerca de 20 minutos. Quem viaja com o Bratislava Ticket (a passagem de trem de 16 euros) ainda tem descontos em tours e passeios de barco. Mais informações aqui.

A cidade é pequena e dá para fazer tudo a pé, basta ter vontade de caminhar um pouquinho. O centro está cheio de monumentos, cafés e restaurantes e vale a pena sentar para curtir a atmosfera local. Várias lojas de artesanato também, que valem ser conferidas, nem que seja só para olhar.

A praça central fica em frente ao Old Town Hall, com prédios de arquitetura barroca e renascentista, a Roland Fountain e uma porção de lojinhas e restaurantes. O movimento por lá é sempre garantido.

Dentro do prédio do Old Town Hall funciona o Bratislava City Museum, com exposições sobre a história da cidade.

Bratislava_old town hall
Old Town Hall e a praça principal de Bratislava

Nessa praça fica também a estátua Napoleon’s Soldier, encostada em um banco e um ótimo lugar para uma foto turistona. Logo você vai perceber que essas estátuas são uma característica da cidade e estão espalhada por outros lugares também, como a do Paparazzi (Paparazzi cocktail bar & ristorante, Laurinská 1) que, como o nome sugere, representa um fotógrafo munido de poderosas lentes, ou a Schoner Naci Statue (Sedlarska Street), o senhor com o chapéu na mão.

A mais famosa de todas fica na esquina da Rybarska brana com a Panska & Sedlarska streets. O Rubberneck, o homem saindo do bueiro, é um dos pontos mais fotografados de Bratislava e até ganhou uma placa de trânsito ao seu lado para evitar que ele perca novamente a cabeça para os motoristas desatentos.

Bratislava_estatua
Rubberneck é um dos pontos mais fotografados de Bratislava

Atrás do Town Hall fica o Primate’s Palace, um prédio rosado considerado um dos mais bonitos da cidade e que sediou diversos eventos históricos. É possível conhecer o seu interior e ver as salas com decoração clássica e a coleção de tapeçaria inglesa do século XVII.

Bratislava foi um dia uma cidade medieval cercada por grandes muros. Hoje boa parte deles não está mais lá e o St. Michael’s Gate é o único portão remanescente dos quatro que existiam. Em seu interior funciona o Museu de Armas.

A St. Martin’s Cathedral é uma construção do século XIV e foi onde aconteceram as cerimônias de coroação dos reis do Império Austro-Húngaro entre os séculos XVI e XVIII. Por esse motivo, o topo da catedral não tem uma cruz, mas uma réplica da coroa utilizada nas cerimônias.

E se você curte igrejas, dê uma passada pela Blue Church. Sim, ela é azul por fora e por dentro, fica na parte leste da cidade e foi construída no início do século XX para ser a capela de uma escola.

Bratislava_blue church
Blue Church, a igreja azul.

Uma das principais atrações do local com certeza é o Castelo de Bratislava, localizado no topo de uma colina no lado oeste do centro histórico. Devido à sua localização estratégica, há vestígios de construções que datam de anos antes de Cristo. A estrutura mais moderna teve início em meados do século IX e foi sendo complementada e alterada até o século XVIII, quando foi destruída em um incêndio. Apenas em 1957 iniciou-se um grande projeto de reconstrução e restauração do castelo. Hoje, suas quatro torres são o principal símbolo da cidade e em seu interior fica o Museu Nacional da Eslováquia. 

A vista lá de cima é incrível! Dá para ver a cidade, o Rio Danúbio e muito além se o tempo estiver bom.

Bratislava_castelo
Castelo de Bratislava

No caminho de volta para a estação de trem o ônibus passa ao lado do Grassalkovich Palace, ou Palácio Presidencial, uma construção do século XVIII e atual residência do presidente da Eslováquia. Se quiser, pare para caminhar pelos jardins em estilo francês.

Fique atento aos horários do trem para não passar um tempão esperando na estação e aproveitar melhor o tempo na cidade.

 

Você conhece Bratislava? Deixe suas dicas aqui nos comentários! 

 

Leia também:
A primeira viagem internacional
10 dicas para passagem aérea barata
Hora de planejar a viagem
Top 10 cidades da minha volta ao mundo

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Nascida em São Paulo, já chamou de casa o Japão, a Austrália, o Chile e tem o passaporte carimbado por uma volta ao mundo. Descendente de japoneses com orgulho e ativa na comunidade nikkei, participa de projetos para divulgação do Japão e para o fortalecimento da cultura japonesa no Brasil. Está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *