América do SulArgentinaBariloche

Bariloche – vendo neve

Gostei bastante de Bariloche, dos chocolates e alfajores! Fiz 2 passeios para as montanhas. Pela manhã, para o Cerro Otto, às 10h. Peguei um ônibus para chegar na base da montanha e depois um teleférico para subir. A vista de lá de cima é maravilhosa! E depois de tanta chuva no Chile, ainda bem que não estava chovendo aqui Dei uma volta rápida para tirar algumas fotos e desci. Não tinha muito tempo por lá, alias, tive só meia hora pra conhecer tudo, pois estava com um outro passeio agendado.

Cerro Otto - subindo

O lugar não é muito grande, mas vale a pena passar umas horinhas para conhecer. Tem um restaurante giratório, um museu com algumas esculturas, uma pequena sala de cinema, uma pista para caminhada na neve com uns “esquis”,  pistas para “esquibunda” na neve (que eu queria muito ter ido, mas estava fechado de manhã) e umas pistas para crianças. Fora umas lojinhas de bugigangas e artesanatos e um lugar para tirar fotos com os pequenos cachorros São Bernardo.

Lá em cima, o restaurante giratório


Peguei o teleférico de volta e o ônibus para o centro e fui procurar um lugar para almoçar correndo. Depois disso, fui para a agência, o ponto de encontro para a saída do outro passeio. Cheguei lá no horário exato combinado: 12h15. O meu passeio era às 13h e eu deveria ter tempo suficiente para ficar no Cerro Otto, mas tudo foi muito corrido porque estava tendo uma reunião com os presidentes da América do Sul em Bariloche e por isso todos os horários mudaram, algumas ruas estavam fechadas e a cidade está um caos. Passeatas por todo o dia, com pessoas vestidas coloridamente esquisitas, com tambores e bandeiras de não-violencia e outras coisas mais. 
O outro passeio foi para o Cerro Catedral, uma das estações de esqui mais importantes da América Latina. Chegando lá eu entendi o porque. É enorme! Pistas de esqui para todo lado, com divisão em 4 níveis, de iniciante a profissional. O lugar tem aulas de esqui e snowboard, muitas lojas de aluguel de equipamentos, restaurantes, área de crianças e uma infinidade de teleféricos.
 
Infelizmente, não fui lá para esquiar. Além de eu ter apenas uma tarde, era muito mais caro. Seria muito dinheiro investido em um tempo insuficiente para aprender a esquiar de verdade e convenhamos que essas aulas não seriam muito úteis para mim aqui no Brasil. Se eu tivesse 1 semana por lá, eu faria.
 
Peguei um teleférico gigante (cable carril) que cabem umas 30 pessoas e fui até um ponto no meio da montanha. Um calor infernal lá dentro! De lá, pegamos um outro teleférico, esse normal, cadeirinha para 2 pessoas, todo aberto e com as perninhas balançando lá em cima, que levava até o topo da montanha. Lá estava frio e ventando bastante. Como disse uma fotógrafa, lá todos tem o penteado patagônico. 

Tinha muita neve e os pés afundavam até a altura do joelho em algumas partes. Em outras, a neve estava dura e era meio complicado ficar em pé (escorregadio demais). Tinha uma descida que estava muito escorregadia e as pessoas estava descendo segurando numa grade, mesmo assim com muita dificuldade. Não tive dúvidas, sentei no chão e desci escorregando. Só fui parar lá embaixo, porque atropelei uma pessoa.

Depois de muitas fotos, fiz o caminho todo de volta. Parei num restaurante para experimentar o famosos arroz com leche, que eu não gostei, mas em compensação, tomei o melhor chocolate quente da minha vida!

O melhor chocolate quente ever!

De volta ao centro, fui no hotel trocar de roupa para devolver a roupa de neve alugada e depois fui fazer compra de chocolates.

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Nascida em São Paulo, já chamou de casa o Japão, a Austrália, o Chile e tem o passaporte carimbado por uma volta ao mundo. Descendente de japoneses com orgulho e ativa na comunidade nikkei, participa de projetos para divulgação do Japão e para o fortalecimento da cultura japonesa no Brasil. Está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *