ÁsiaJapão

10 coisas que você precisa saber antes de ir para o Japão

O Japão é um país muito diferente do Brasil. Além de estar do outro lado do mundo, os japoneses escrevem de cima para baixo e da direita para esquerda, com caracteres que parecem não fazer o menor sentido. Como se não bastasse a comunicação difícil, na hora de comer ao invés de talheres se usa o ohashi, os “palitinhos” que desafiam a coordenação de algumas pessoas. As diferenças não param por ai e fazem parte da experiência de conhecer o país do sol nascente.

A verdade é que, superado o primeiro impacto da comunicação e da comida, o Japão é um país  muito fácil de viajar. O transporte público funciona bem, as pessoas são educadas, é um lugar organizado, bem seguro e cheio de coisas para serem exploradas. Veja aqui algumas dicas para tornar sua viagem mais proveitosa e cheia de boas memórias! 

10 coisas_japao

1. Avalie o JR Pass

O sistema de trens do Japão funciona muito bem e te leva praticamente a todos os lugares. Existe um passe chamado JR Pass que dá direito ao uso ilimitado de trens, metrôs, ônibus e ferries da linha JR, a maior do país, além de alguns vôos. Existem algumas exceções, veja condições no site da Japan Rail Pass.

Existem 3 tipos de passes válidos para 7, 14 ou 21 dias. Eles só podem ser usados por estrangeiros com visto de turista e devem ser adquiridos fora do Japão, ou seja, planeje antes de ir e compre o seu antes de sair do Brasil (ou do lugar que estiver). O valor, a primeira vista, não é muito convidativo: quase 300 dólares para o passe de 7 dias, e aumenta conforme o número de dias cresce também, mas dependendo dos locais que você for ele vale a pena.

Leia também: O que fazer em Tokyo

São diversos tipos de trem com diferentes preços. O shinkansen (trem bala) é o mais rápido e mais caro, use e abuse dele se tiver com o JR Pass. Os trens conhecidos como pinga-pinga são a opção econômica, mas péssima escolha para longas distâncias.

Antes de comprá-lo, defina seu roteiro e pesquise os transportes que irá usar. O site Jorudan (em inglês) é uma boa fonte para pesquisa e dá várias opções de trajeto, com variações de tempo, preço e baldeações. Se você vai ficar só em Tokyo e arredores o JR Pass não vale muito a pena, mas se for fazer uma viagem ida e volta de Tokyo para Kyoto, por exemplo, já compensa. Quer comprar o JR Pass? Me pergunte como.

 

2. Você não vai comer só peixe

Se você acha que vai viver de sushi e sashimi no Japão, esqueça. É como pensar que se come feijoada todos os dias no Brasil. Porém, prepare-se para comer arroz em quase todas as refeições, inclusive no café da manhã (se optar pelo típico café da manhã japonês, que é uma refeição como almoço ou janta).

Sou bem suspeita para falar, já que amo comida japonesa, mas a variedade é bem grande tanto nas opções quanto no preço. Os peixes e frutos do mar estão bem presentes, isso é verdade, mas também tem muita carne, legumes e macarrão.  Destacando algumas iguarias que eu aprovei: kareraissu (arroz com curry), omoraissu (arroz com ovo e molho demiglace), nikuman (bolinho chinês com recheio do que você quiser), takoyaki (bolinhos de polvo), shabu-shabu (carne cozida que você prepara na mesa), domburi (carne ou frango sobre arroz), okonomiyaki (panqueca ao estilo japonês), ramen (um tipo de macarrão ensopado), entre outros. A descrição não é das melhores, faça uma busca por imagens para entender melhor.

Veja também: O que comer no Japão

Não deixe de experimentar os doces. Eles são tão bonitos que dá até dó de comer, mas são deliciosos, pouco doces e nada enjoativos. Ganhar uns quilinhos a mais por lá é fácil!

Está gostando desse artigo? Que tal curtir o Bagagem de Memórias no Facebook?


domburi-japao

 

3. Saiba viver de forma coletiva

Uma das coisas que mais me impressiona no Japão é o senso de coletividade em que eles vivem. O respeito e preocupação com os outros torna o país organizado, limpo e seguro.

Um dia estava em uma cidade do interior e entrei em uma lojinha apenas para olhar.  Quando sai o vendedor veio correndo atrás de mim perguntar o que tinha acontecido. Disse que estava apenas olhando e ele se desculpou por nada da loja dele ter me agradado. Imagino que por aqui ele estaria reclamando por eu não ter comprado nada, por  não ganhar sua comissão de vendas ou por ter perdido seu tempo comigo.

Também é comum, no horário de fechamento dos depatos (lojas de departamento), que os vendedores fiquem nas portas agradecendo a visita no momento em que os clientes estão saindo das lojas, mesmo que você não tenha comprado nada.

Outra história é de uma fila em um mercado para encher gratuitamente garrafas de água em uma máquina. Uma senhora estava com 4 gafarras grandes, o que demoraria um certo tempo. Se nós estivessemos no lugar dela, provavelmente ficaríamos na fila e quando chegasse nossa vez encheríamos as 4 garrafas, uma atrás da outra. Um japonês não se espantaria se ela voltasse ao final da fila 3 vezes para poder encher uma garrafa de cada vez, afinal o tempo dela não é mais importante que o dos outros e ela não tem o direito de fazer a fila toda esperar.

Histórias como essas são comuns por lá, e um exemplo de atitude, na minha opinião.

yokohama_picnic sakura

 

 

4. Tradições X Modernidade

Todo o oriente, no geral, tem uma herança cultural grande e muito diferente da ocidental, o que é gritante aos olhos de quem não conhece ou não está acostumado. Preservar as tradições é algo muito importante no Japão e isso é visto no dia-a-dia das pessoas e nos detalhes de arquitetura, gastronomia etc. Por outro lado, estamos também falando de um país que investe em educação, em tecnologia de ponta e em engenharia avançada.

Imagine um país de cultura passada de geração para geração, com templos antigos, geishas andando pelas ruas e artes milenares. Agora, imagine um país com uma das tecnologias mais avançadas do mundo, cheio de arranha-céus com sistema de proteção contra terremotos, com trens-bala circulando em toda sua extensão e que exporta carros, computadores e aparelhos eletrônicos para todo o mundo. Assim é o Japão, tudo isso ao mesmo tempo, tudo junto e misturado e tudo combinado com harmonia.

Os costumes do Japão são bem diferentes do Brasil. Antes de ir, tente aprender o que pode e o que não pode para evitar gafes. Caso você cometa alguma, eles não vão gostar e também não vão dizer, ou seja, você será uma pessoa desagradável no país deles e nem vai saber disso.

Fazer barulho para comer ramen, o macarrão ensopado, não é falta de educação e significa que você está apreciando a comida. Já os ruídos de assoar o nariz não são bem vindos.  Os casais são discretos e dificilmente você os verá andando de mãos dadas na rua, imagine fazendo outras coisas. Espetar o ohashi no arroz pega mal, pois isso só é feito em cerimônias fúnebres. Ah! E cuidado para não usar meias furadas, já que para entrar em muitos lugares é preciso tirar os sapatos – templos e restaurantes fazem parte desta lista.

tradicao-e-modernidade-japao

 

5. Não espere um inglês fluente dos japoneses 

Uma coisa é fato: a maioria deles fala e entende muito pouco inglês. Os que sabem têm uma pronúncia ruim e que é difícil de entender, mas com algum tempo você acostuma.

Por exemplo, tem uma loja de conveniência que eles chamam de Sakuroke. Esse é o jeito que eles falam Circle K. O mesmo vale para Sebun Erebun, que é o Seven Eleven. Não precisa ir muito longe para ver essa forma característica deles pronunciarem assim, em São Paulo mesmo tem muitos restaurantes japoneses que servem um frango empanado chamado chicken furai, o que quer dizer frango frito (chicken fry).

Na dúvida, pergunte. Os japoneses são muito prestativos e sempre tentam ajudar, mesmo não falando a mesma língua que você. Nessas horas a mímica é linguagem universal. Porém, não espere que eles tomem iniciativa e te ofereçam ajuda por vontade própria, os japoneses não são as pessoas mais expansivas do mundo.

Outro ponto importante é que provavelmente você não vai entender as placas de rua se não souber ler japonês (se quiser estudar, prepare-se com antecedência, já que são mais de 2 mil caracteres para aprender). Não se desepere! Nas estações de trem e na maioria dos pontos turísticos elas estão também romanizadas e traduzidas para o inglês, em alguns casos também para o chinês, coreano, francês, alemão etc. Nos restaurantes os cardápios têm muitas fotos e maquetes de plástico dos pratos, então facilita muito saber o que você pode pedir.

 

6. Maquininhas em todo lugar

Os japoneses são os maiores fãs das jidouhanbaiki (vending machines). Há máquinas em todo lugar e com praticamente tudo – bebidas, salgadinhos, sopas, sorvete, vegetais frescos, livros, cigarro, brinquedos, amuletos, guarda-chuvas, aluguel de sapatos de boliche, de bicicletas e há até máquinas em sex shops que vendem pornografia. Alguns restaurantes substituem o garçom que tira os pedidos por uma máquina, como no Museu do Ramen de Yokohama.

Se você precisar de alguma coisa, sempre haverá uma maquininha na estação de trem, em um ponto turístico, em um shopping ou mesmo nos lugares mais inusitados, como no meio de uma plantação de chá. Basta colocar sua moedinha lá e escolher o que quer.

Leia também: Roteiro: Japão em 15 dias

Tem máquinas mais simples e até as mais high tech. Em algumas, o display é em tela de LED com função touch screen, outras reconhecem movimentos e cada hora surge uma novidade.

vending-machine-japao

 

 

7. Lojas 100-en são paradas obrigatórias

Provavelmente você já ouviu dizer que o Japão é um ótimo lugar para fazer compras, mas também que é um país caro.  Não vou negar que gastar dinheiro por lá é muito fácil e que o custo de vida também não é dos mais baixos, mas existem algumas lojas que valem a pena uma parada para comprinhas.

São as lojas de 100-en (lê-se: hyaku-en), onde todos os produtos a venda custam 100 ienes, o que vale aproximadamente 1 dólar (é claro, isso depende do câmbio). Existem infinitas lojas espalhadas pelo país, a mais famosa é a Daiso, que já tem até loja em São Paulo. Lá você vai encontrar um pouco de tudo: panelas, artigos de papelaria, meias, coisas para casa, produtos de jardinagem, maquiagem, balas, bolachas, salgadinhos etc, brinquedos, embalagens, tranqueirinhas no geral e muito mais. E não é porque é barato que é qualquer porcaria, os produtos costumam ser de boa qualidade!

Cuidado que de pouquinho em pouquinho a conta acaba ficando cara. E lembre-se que no Japão o valor dos impostos é adicionado ao produto no caixa, ou seja, na verdade os 100 ienes vão virar uns 110 ienes.

 

8. Multidões organizadas

O Japão tem  mais de 127 milhões de pessoas em 377 873 km², isso quer dizer muita gente em pouco espaço. Inevitavelmente você vai se deparar com trens lotados, multidões em um cruzamento ou filas para entrar em algum lugar. Só de pensar na muvuca já começa a dar preguiça de sair, certo? Mas incrivelmente as coisas são organizadas mesmo com tantas pessoas circulando ao mesmo tempo.

O famoso cruzamento de Shibuya, em Tokyo, é a prova disso – pessoas atravessando a rua em todas as direções, inclusive na diagonal, com seus passos apressados, mas da forma mais natural possível. Faz parte da educação dos japoneses respeitar as filas, independente do seu tamanho, e no horário de pico um guardinha com luvas super brancas empurra as pessoas para dentro dos trens.

Quem também usa luvas brancas são os taxistas. Lá eles dirigem na mão inglesa, ou seja, você deve embarcar pelo lado esquerdo e não encoste na porta para entrar ou sair. Ela abre e fecha automaticamente.

Cruzamento-shibuya-Japao

 

9.  Banheiros no Japão

Ir ao banheiro no  Japão é uma experiência interessante, por isso saiba escolher em quais você vai entrar. Eles podem ser altamente tecnológicos ou tradicionalmente orientais. Garanto que esse último você vai, no mínimo, estranhar.

Apelidado pelos brasileiros como motoquinha ou pocotó, é simplesmente um buraco no chão. Para usar você precisa agachar bastante senão vai virar a maior sujeira, a não ser que sua pontaria seja muito boa.  O lado correto é ficando de frente para o lado mais alto. Esse tipo de vaso sanitário é frequentemente encontrado em lugares públicos como aeroportos, estações de trem ou praças, mas você pode se deparar com ele em qualquer lugar. Os japoneses gostam do estilo oriental tradicional, pois acham mais higiênico, já que não há contato do corpo com o vaso durante o uso, assim  evita doenças.

Os modelos tecnológicos estão em locais mais “requintados” como shoppings, restaurantes, depatos (lojas de departamento) etc. Os modelos variam muito, há os que ficam com o assento quentinho no inverno, os que levantam e abaixam a tampa da privada sozinhos, aqueles que tem tantos botões que você não sabe como dar descarga e também os que não tem botão de descarga já que é tudo automático, tem até uns com musiquinha para disfarçar aquele barulho indesejado. É muita modernidade para um simples xixizinho, né?

Outro ponto diferente é que algumas privadas tem uma torneira em cima do reservatório de água que é acionada quando você dá descarga. Essa água é para lavar as mãos e, depois de usada, ela enche o reservatório para a próxima descarga. Pois é, os banheiros também são sustentáveis!

Alguns têm um chinelo na entrada, que deve ser calçado para usar o banheiro (esse é mais difícil de ser encontrado). Não se preocupe com papel higiênico, eles estão aos montes. As vezes 2 ou 3 portas-papel higiênico por cabine, sem contar os que ficam como reserva. Já papel para secar as mãos não tem. De vez em quando tem aquelas maquinas de vento, mas o normal é que você leve sua própria toalhinha. Compre uma nas lojas de 100-en.

banheiro japao

 

10. Visto japonês

Para brasileiros é obrigatório o visto para entrar no Japão e ele é chatinho de tirar. A lista de documentos é grande, mesmo para a categoria turista, e inclui cronograma de viagem, passagem de ida e volta e comprovante de renda, além de passaporte, formulário preenchido e pagamento de taxa, é claro. É importante ressaltar que depois de emitido, o prazo é de 3 meses para entrar no país, então não adianta tirar com muita antecedência ou fazer como o visto americano – vou tirar e se um dia precisar eu já tenho. Para mais informações, consulte o site do Consulado do Japão.

Uma vez no Japão, tire o re-entry se você pretende voltar. O processo é mais simples que tirar um visto novo e ele vale por 3 anos.

 

Onde se hospedar no Japão

Vou deixar aqui algumas dicas de lugares para ficar durante sua visita ao Japão.

Em Tokyo: Tokyo Ginza Bay Hotel (hotel cápsula), Khaosan World Asakusa Ryokan & Hostel (hostel) e The B Tokyo Asakusa (3 estrelas).

Em Kyoto: The Millennials Kyoto (hotel cápsula), Khaosan Kyoto Guesthouse (hostel) e Rinn Gion Kenninji (3 estrelas).

Em Hiroshima: Sejour Inn Capsule (hotel cápsula), Hostel Mallika (hostel) e Hotel Granvia Hiroshima (3 estrelas).

 

+ do Japão:

Descobrindo o Red Light District em Osaka, sem querer

Seja Maiko por um dia

Templos de Kyoto

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Amante da natureza, de aventuras, da cultura asiática e de causas sociais, reside em São Paulo, mas já morou no Japão, na Austrália e no Chile, já deu uma volta ao mundo e está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

46 Comments

  1. Satie
    17/01/2014 at 13:13 — Responder

    Muito bom essa matéria, e com certeza, ajudará os turistas a conhecer um pouco desse país um tanto diferente. Lembrando só do papel higiênico, vai descarga abaixo, facilitando também na higiene do local. =)

    • 17/01/2014 at 13:18 — Responder

      Bem lembrado Satie! O papel higiênico vai descarga abaixo. O difícil é não fazer mais isso quando voltar para o Brasil…

  2. Leandro santos
    15/07/2014 at 07:55 — Responder

    Eu pretendo ir morar no japão,um lugar lindo e bem istruturado.sou pintor automotivo e acredito muito no desenpenho automotivo do japão.Só precisaria de uma opinião sua que vai receber essa mensagem;é uma idéia exelente?ou não há muita esperença nessa oportunidade de trabalho.Obrigado

  3. Iara Lucia Marela
    30/11/2014 at 21:55 — Responder

    Estive no Japão em 1983. Fui com minha mãe e meu filho de 8 anos. Fiquei deslumbrada com tudo que vi. Era início de Abril e também da primavera.
    Fui com uma caravana religiosa, porque sou Messiânica e o Solo Sagrado do Japão é em Atami, Hakoni e Kioto. Tóquio também é importante, porque foi lá no bairro de Assakusa que nasceu o fundador da religião.Em Kioto estive em uma província chamada Otsu, fica a beira de um lago e visitei um templo, que não sei o nome, das mil faces de Kanon. Amei a jiagem, pena que já faz tanto tempo. Mas você me deu um motivo para sentir saudades.
    Abraço
    Iara

    • 01/12/2014 at 05:31 — Responder

      Iara,
      Obrigada pela visita! O Japão realmente é incrível, uma país para se visitar mais de uma vez, com certeza.
      Sentir saudades significa que foi algo marcante para você e que foi bem aproveitado! É sempre bom ter essas memórias na nossa bagagem.

      Bjo, Patricia

  4. 03/04/2015 at 14:06 — Responder

    Oi Patricia,
    duas dúvidas, não sei se você conhece esses detalhes:
    No JR Pass esses 7 dias são corridos ou são 7 dias de uso, que nem no Eurail na Europa?
    E sobre esse Re Entry do visto, eu pediria isso lá no Japão mesmo? Pois vou voltar em Agosto e isso seria uma mão na roda!

    Beijão

    • 06/04/2015 at 11:28 — Responder

      Thais,

      Para o JR Pass são 7 dias corridos, por isso é importante planejar bem quando começar a usar e quais os destinos vc vai nesses 7 dias. Se for passar os primeiros 3 dias apenas em Tokyo, por exemplo, deixe para ativar o JR Pass depois, assim vc aproveita melhor.

      O re entry vc tira no Japão mesmo. Eu tirei o meu por uma agência, quando estava trabalhando no país.

      bjo,

  5. Julia
    10/08/2015 at 20:36 — Responder

    Eu fui ano passado com meu pai (foi minha “festa” de 15 anos) a gente estava perdidos em shibuya com um mapa na mão, até q um cara do nada parou perguntou (no modo internacional de gestos) aonde a gente queria ir, apontamos para onde queríamos ir e ele mostrou a direção. Não pedimos nada ele simplesmente viu q a gente estava perdidos e nos ajudou. Foi um dos momentos mais marcantes.

    • 10/08/2015 at 22:01 — Responder

      Eles são super prestativos, né? Essa forma coletiva de se viver é uma das coisas que eu mais admiro no país.
      Eu tenho uma história parecida também, de um dia que não sabia como chegar em um lugar e um casal abriu o GPS no celular e foram me guiando até a porta. Andamos uns 3 ou 4 quarteirões e depois que me deixaram no meu destino, voltaram para o caminho original deles.

      • 13/08/2017 at 19:08 — Responder

        Olá , Patrícia estou planejando viajar para o Japão durante os jogos olímpicos ;vc acha que eu já devo começar a me organizar ? obrigado

        • 10/09/2017 at 12:36 — Responder

          Oi Abdias,

          Acho que vc já pode começar a definir os lugares que quer conhecer, se quiser aproveitar os jogos para viajar pelo país tbm.
          Para ingressos, passagens e hospedagens, acredito que seja um pouco cedo ainda.

  6. Giovanna
    26/09/2015 at 12:50 — Responder

    Patricia , um pergunta , eu gostaria muito de morar no Japão , o que tenho que fazer para poder morar lá?

    • 28/09/2015 at 17:36 — Responder

      Oi Giovanna,

      Para morar lá vc precisa de um visto que te permita isso. Existem diversos tipos de visto, cada um com sua especificidade.
      Depende muito o que vc quer fazer, quais são suas qualificações, seu grau de parentesco com japoneses, domínio do idioma etc.

  7. Cinthia
    30/09/2015 at 14:19 — Responder

    Patricia,
    Eu venho a algum tempo pensando em morar no Japão, mas não tenho grau algum de parentescos que more la.. é possivel que eu consiga um visto para isso? O que devo fazer?
    Boa tarde, e desde ja agradeço!

    • 05/10/2015 at 10:22 — Responder

      Olá Daniela,
      Existem vistos que não é necessário ter grau de parentesco. Acredito que alguns tipos de bolsa de estudo não fazem essa exigência.
      Depende muito do que você quer fazer por lá e das qualificações que vc tem para achar um visto que se adeque.

  8. Martina Andrade
    17/10/2015 at 21:46 — Responder

    Eu adorei esse post. Encontrei sem querer fazendo um outra busca no Google e já curtir a página no Facebook e no Instagram. O texto é muito bem escrito, gostoso de ler e muito útil, pois o Japão está no meu roteiro de viagem dentro dos próximos 3 ou 4 anos, pelo menos. Parabéns pelo blog!

    • 19/10/2015 at 18:27 — Responder

      Obrigada Martina!
      Fico muito feliz com seu comentário =]

  9. Weslley
    29/02/2016 at 20:07 — Responder

    Boa noite eu li o seu post e achei interessante e gostaria de saber quantas lojas de vocaloid ha por lá e se é fácil de encontrar e sobre ingressos para shows se compra em lojas ou na internet desde já arigatougozaimasu

  10. Joyce Ribeiro
    19/03/2016 at 19:26 — Responder

    Nossa que matéria legal …encontrei por acaso
    Eu sabia de algumas coisas, pois meu namorado é japonês e está morando no Japão. Mas vi coisas interessantes que ainda não sabia. Um pretendo conhecer esse belo país. .beijusss

    • 20/03/2016 at 09:57 — Responder

      Joyce,

      Que bom que gostou! O Japão é incrível, vá sim.
      Volte sempre.

      bjo

  11. 10/04/2016 at 17:35 — Responder

    Gostaria de viver no japao quis sao as oportunidades de Emprego pra cidadaos estrangeiros.

    • 25/05/2016 at 10:35 — Responder

      Beto,
      Para oportunidades de empregos seria melhor buscar uma agência especializada no assunto. Não tenho essa informação.

  12. Bryan
    24/07/2016 at 22:17 — Responder

    Ola Patricia
    Desde dos meu 13 anos , senti que aqui em Portugal nao era meu lugar , parecia que nao era aqui onde eu devia ter nascido , e quando vi a cultura japonesa , eu me apaixonei, foi como amor a primeira vista. Eu estou agora com 20 anos , e queria poder ficar no japão e criar la uma familia ( com uma habitante de la ), so que o problema , é que nao sei muito falar japones. Tenho estudado , mas é dificil de aprender pela internet. Mas o que eu realmente queria saber, é como posso viver no japão sem muita dificuldade , eu tenho curso de Multimédia 12º ano. Porfavor me ajude.
    E Parabens pelo post.

    • 25/07/2016 at 02:06 — Responder

      Olá Bryan!
      Obrigada pela visita =]

      Aprender japonês realmente não é tão simples, mas com dedicação você pode aprender o básico sozinho. Uma vez no Japão, o aprendizado será natural pela convivência com o idioma. Ou você pode procurar um curso por lá.

      Para trabalhar no país, sugiro que procure uma agência especializada nesse assunto. Eles te darão informações mais precisas sobre visto, oportunidades etc.
      Sugestão: veja no consulado se há alguma seleção para bolsa de estudo na sua área. Pode ser uma chance de conseguir ir para o Japão com suporte e custo reduzido.

      Se você sente que o Japão é o seu lugar, não desista. =)

  13. Hugo
    20/08/2016 at 11:17 — Responder

    Muito legal o site, materias e conteudos…
    Parabens ! Continue com esse trabalho.

  14. Suzane
    02/09/2016 at 16:40 — Responder

    Oi, Patrícia! AMEI seu roteiro de 15 dias, praticamente resolveu todas minhas buscas do meu roteiro pelo Japão.

    Estou planejando uma viajem para fevereiro ou março de 2017, ainda não decidi, porque antes vou passar pela China e queria pegar o ano chinês (início de fevereiro) ou pegar as cerejeiras no Japão, e aqui a minha dúvida:

    Metade de abril já tem cerejeiras por lá?

    Ah, tbm sou da #viajosola por isso tanta pesquisa antes de ir.

    • 02/09/2016 at 17:01 — Responder

      Oi Suzane!

      Que bom saber que consegui te ajudar. Fico muito feliz!!

      Eu fui para o Japão entre final de março e começo de abril. Nessa época peguei o comecinho da época das cerejeiras.
      É bem provável que meados de abril as árvores estejam floridas, mas como é um processo natural não posso te garantir. A época varia conforme a região do país e depende de condições climáticas também.

      Bom planejamento e boa viagem! =]

  15. Lais
    11/09/2016 at 22:47 — Responder

    Patrícia, excelente suas dicas!!!! Muito obrigada!!!
    Gostaria de tirar uma duvida, estamos meu marido e eu indo para o Japão passar as ferias , estou gravida e gostaria de aproveitar minha viagem e fazer o enxoval do meu bebe . O que você acha ? Preços bons ? Tem grandes lojas para isso ? Assim como se tem em Miami ou Orlando.

    Muito obrigada!

    • 13/09/2016 at 14:23 — Responder

      Oi Lais!

      Obrigada! Muito bom saber que consegui te ajudar.
      O Japão com certeza tem lugares para fazer o enxoval, mas como eu nunca fiz isso, não sei te dizer se os preços são bons ou quais as melhores lojas para isso. Desculpa não conseguir te ajudar muito neste ponto =/

  16. Beatriz Manso ribeiro
    27/09/2016 at 16:35 — Responder

    Oi Patrícia gostei muito do post adorei.
    Foi o primeiro que eu li quando entrei no blog.
    quero te dizer que da próxima vez que for ao Japão ir a um restaurante que conheço SUKIYABASHI GIRO.
    O preço não é dos melhores (em torno de 550 reais o almoço) mais vi que vale a pena. mais tem que agendar um mês antes de comer.
    gostei de mais. 🙂

    • 27/09/2016 at 16:47 — Responder

      Legal! Obrigada pela indicação, Beatriz. =)

  17. Edilson
    29/10/2016 at 21:38 — Responder

    Olá Patrícia, adorei essa material! Pretendo ir ao Japão entre 2020/2022, sabe me informar se posso trazer CDs, revistas, alimentos e roupas e outras bugigangas para o Brasil? Será cobrado alguma taxa ao embarcar? Abraço.

    • 31/10/2016 at 21:04 — Responder

      Oi Edilson!

      Que bom saber que gostou do post. =)
      Não são cobradas taxas desde que sejam produtos de uso pessoal ou estejam dentro da cota determinada pela alfândega.

  18. Arleane
    18/04/2017 at 23:23 — Responder

    Adorei todas as informações… Tenho amigos que moram no Japão e quero muito um dia poder visita – los!

    • 20/04/2017 at 12:02 — Responder

      Que bom que gostou!
      Vale muito conhecer o Japão. Se planeje para ir sim!!

  19. Gustavo
    25/04/2017 at 13:38 — Responder

    Oi Patrícia, minha prima mora no Japão ela veio visitar a família no Brasil e me convidou para ir fazer minha vida no Japão, eu moro em São Paulo a 22 anos quero muito ir, ando vendo alguns vídeos e alguns blogs gostei de tudo sobre oque descreveu a cima, ela me deu até o fim de 2017 para pensar e passar a resposta, tenho medo sobre a comunicação você pode me disser se posso aprende rápido ou leva um certo tempo para se adaptar e aprende a forma de comunicação japonesa ? Ela me fala muito mas eu gostaria de saber de outras pessoas também, obrigado.

    • 27/04/2017 at 20:56 — Responder

      Oi Gustavo!
      O Japão é um país incrível e com uma ótima estrutura. Morei por alguns meses lá e gostei bastante.
      É muito diferente – língua, costumes, comida… tudo depende de como vc vai se adaptar a tudo isso.

      O idioma não é fácil de aprender, vou ser sincera. Com algum tempo vc começa a pegar algumas palavras e a entender o básico, e vai melhorando com o passar dos dias. Ler e escrever é outra coisa e mais complicado.
      Dependendo de onde vc trabalhar, pode ser mais fácil. Eu trabalhei em um lugar que tinha tradutor de português, pq tinha muito brasileiro. Depende muito.

      Acho que mais difícil que o idioma, é a cultura. Os japoneses são mais frios, diretos e muito certinhos. Pesquise sobre os costumes, tradições etc. Tente conhecer um evento da comunidade japonesa no Brasil. Acho que isso pode te ajudar.

  20. gabriella
    22/05/2017 at 15:16 — Responder

    Olá
    Como é o atendimento médico por la!?
    Fico pensando precisar numa emergencia e mal saber falar…
    E também gostaria de saber como é a qualidade dos mèdicos, tratamentos e etc….

    • 23/05/2017 at 12:35 — Responder

      Gabriella,

      Eu nunca precisei utilizar o serviço médico no Japão. Não sei te responder.
      De qualquer forma, é sempre válido ter um seguro viagem que cubra essas despesas. A gente nunca sabe o que vai acontecer.
      A barreira de comunicação, acredito que seja bem contornável. Os japoneses são muito solícitos, têm muita paciência com isso e hoje a tecnologia ajuda bastante. Um tradutor já resolve muita coisa.

  21. Kana
    01/06/2017 at 03:03 — Responder

    Patricia,
    Thanks for introducing about my country! You know much about Japan than me. Your blog is amazing becuse it help us not only travel the country but also know it.
    I’m looking forward to next blog about Canada!
    Enjoy your travel.

    • 01/06/2017 at 12:42 — Responder

      Thanks Kana!
      It was a pleasure to meey you. Hope to see you in Brazil soon!

  22. Rivanilsson ctrs
    04/06/2017 at 15:44 — Responder

    tenho 16 anos
    quanto acaba meus estudo quero trabalhar para o Japão gostaria de saber aqual o curso que devo fazer para mim não ficar sem imprego
    aca

    • 05/06/2017 at 14:40 — Responder

      Oi Rivanisson!
      Vc quer trabalhar para o Japão? Ou no Japão?
      Emprego depende de muitos outros fatores além do curso. Vc deve fazer algo com que se identifica, que goste de fazer e que tenha relação com suas perspectivas de futuro.

  23. maria noeli barbosa
    14/06/2018 at 14:41 — Responder

    Boa Tarde Patricia
    Estou indo para o Japão em outubro deste ano, vou ficar 15 dias, 5 em Tóquio e 10 em Kyoto, gostaria de uma informação, do aeroporto de Narita ate Tóquio qual a forma mais barata de me deslocar meu voo chega a noite, porque seguindo teu concelho vou ativar o Jr só quando for a Kyoto.

    • 19/06/2018 at 20:50 — Responder

      Oi Maria!
      A forma mais barata de sair do aeroporto é de ônibus.
      No aeroporto mesmo tem os guichês que vendem a passagem. O ônibus passa em algumas estações de trem (as maiores e principais). Tokyo Station ele passa com certeza, porque foi lá que eu desci.
      Da estação, é só pegar o trem ou metrô até a estação mais próxima da sua hospedagem.

      Qualquer dúvida me fala. =]

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *