ÁsiaChina

10 coisas que você precisa saber antes de ir para China

Planejando conhecer a China? Como não podia ser diferente, esse país milenar guarda muita história e cultura. Uma surpresa em cada canto, uma experiência a cada dia. A viagem é longa e não é só a distância física que separa Brasil e China, os costumes e tradições são muito diferentes, assim como o povo, a comida, a escrita e muito mais.

Prepare-se para o choque cultural! E aproveite as dicas abaixo para tornar sua viagem mais prazerosa e evitar algumas surpresas.

1. Brasileiros precisam de visto

Sim, brasileiros precisam de visto para entrar na China, com exceção de Hong Kong, Macau e Taiwan. Conseguir o visto não é complicado, basta entregar os documentos na embaixada e buscar seu passaporte alguns dias depois.

Atenção, pois é preciso entrar no país em até 3 meses após a emissão do visto para 1 entrada ou 6 meses para o visto de 2 entradas, então calcule quando você deve aplicar o seu para que ele não expire.

Neste post damos todas as dicas de como tirar o visto chinês, mesmo fora do Brasil.

Visto da China
Visto da China

 

 

2. Cultura milenar x Modernidade

Esse contraste é uma das coisas que mais chama atenção na China. Um país com tradições milenares, cerimônias de chá à moda antiga e monumentos construídos há centenas de anos dividem espaço com prédios gigantescos, construções de arquitetura moderna e luzes neon para todos os lados. Os restaurantes locais e comidas de rua aparecem ao lado de redes de fast food, assim como é possível encontrar lugares que parecem ter parado no tempo e virando a esquina tem um hotel 5 estrelas de uma das maiores redes do mundo.

Os artistas de rua, aqueles que a gente vê nos vídeos do Youtube, realmente existem e ficam nas ruazinhas turísticas que são um charme, mas logo em frente tem uma cafeteria internacional. Assim é andar pelas ruas da China, contrastes mil e uma novidade a cada esquina.

Arranha-céus em Shanghai

 

 

3. Tudo é grande, tudo é muito

Tenha em mente que você vai para o país mais populoso do mundo, tudo tem muita gente e tudo tem fila. Tirar uma foto exclusiva, sem pessoas indesejadas, é uma raridade. Além dos moradores, a China recebe uma infinidade de turistas todos os dias e os principais pontos turísticos estão sempre lotados. Mesmo cidades que você nunca ouviu falar e que parecem pequenas têm uma população maior que muitos países.

Além disso, chineses tem mania de grandeza e você vai perceber que  os aeroportos são enormes, os prédios são gigantes e que muitos dos recordes de maior (ou top 10 maiores) do mundo pertencem a China (talvez eles precisem de coisas grandes para acomodar tanta gente).

Outro item que chama atenção é a poluição. Provavelmente devido ao grande crescimento que o país teve nos últimos anos e talvez uma certa despreocupação com o meio ambiente, é fácil perceber que as grandes cidades parecem estar mergulhadas em uma constante neblina (que não é aquela mesma que você nas montanhas). Os prédios mais distantes se perdem na cor cinza que toma o céu.

Disputa por uma boa foto

 

 

4. Segurança

A China é um país bastante seguro. Não se preocupe em ser assaltado, isso dificilmente vai acontecer. As câmeras de segurança estão em todo lugar e também é bastante comum ver policiais pelas ruas, mas é claro que sempre vale tomar as precauções básicas (os batedores de carteira existem em qualquer lugar do mundo).

Está gostando desse artigo? Que tal curtir o Bagagem de Memórias no Facebook?


As máquinas detectoras de metais e de raio-x não são exclusividade dos aeroportos, prepare-se para encontrá-las em todas as estações de metrô e museus, por exemplo.

Porém, existem 2 coisas com que você deve tomar todo cuidado. A principal delas se chama taxi (inclua nesse item também os tuk tuks). Nunca confie em um taxista, eles sabem que você é turista e se acham bem espertos. Vão tentar negociar o valor da corrida ao invés de ligar o taxímetro (e o valor que eles cobram é pelo menos 3 vezes maior), eles te dão notas falsas de troco e por aí vai. Eles recusam fazer corridas curtas (entenda que 15 ou 20 minutos de carro é uma corrida curta, mas um longo trecho para andar) e se você realmente precisar dele (em um dia de chuva ou em que esteja atrasado, por exemplo) um suborno resolve seu problema (evite ao máximo fazer isso, por favor, não incentive essa prática).

O outro ponto que você deve prestar atenção é com as armadilhas engana-turista. Os chineses tentam tirar dinheiro dos gringos a todo custo (vide os taxistas) e alguns restaurantes tem menus para estrangeiros com preços diferenciados (obviamente com o preço triplicado), sem falar naquele mocinho super simpático e com um ótimo inglês que vai te convidar para a xícara de chá mais cara da sua vida ou para fazer compras na loja que ele ganha uma bela comissão.

 

 

5. Trânsito e locomoção

A melhor forma de se locomover é de metrô e eles são ótimos em Shanghai e em Beijing (não conheço os das outras cidades). Servem a cidade toda, são fáceis de usar e toda a comunicação é bilingue (chinês e inglês). Além disso é barato! Uma viagem em Bejijing custa menos de $0,50 e em Shanghai vai depender da distância percorrida (um cartão com cerca de $5 foi suficiente para 4 dias). O principal é: de metrô você está fora do trânsito caótico e sabe que está pagando o valor certo e justo.

Existe a opção do ônibus também, mas não me arrisquei a usá-los. Pelo que vi de fora os letreiros são apenas em chinês.

O trânsito na China é uma loucura, descarte a opção de alugar um carro. As leis devem existir apenas no papel, nas ruas se vê de tudo. Seta é algo inexistente, os carros simplesmente se enfiam um na frente do outro, já a buzina você ouve a cada 2 segundos (ou menos). Eles andam na contramão, passam no farol vermelho e não param nas faixas de pedestre. Quando se fala em motos só piora, elas andam nas calçadas e atravessam as ruas nas faixas de pedestre como se fossem gente.

Falando em atravessar ruas, lembre-se de você olhar para todos os lados antes de dar o primeiro passo (todos inclui direita, esquerda, a frente e atrás). As faixas de pesdestre existem e não são difíceis de encontrar, inclusive os chineses as utilizam para atravessar as ruas, o único detalhe é que a maioria delas não tem o farol de pedestre (apenas o cruzamento de grandes avenidas) e isso significa que você deve atravessá-la enquanto os carros estiverem passando mesmo. Lembre que eles não param, passam no vermelho, andam na contramão e ainda existem as motos. Eu entrava em pânico cada vez que tinha que atravessar uma rua cheia de carros e simplesmente procurava um chinês e grudava nele até chegar do outro lado. Para eles é uma coisa normal.

 

Só pegue um taxi se realmente não tiver outra opção (leia o item 4, acima). Existem muitos taxis nas cidades, mas muita procura também, ou seja, eles estão sempre com gente e não é fácil parar um na rua. Se conseguir, é provável que ele recuse te levar por ser estrangeiro, já que a grande maioria dos taxistas não falam inglês, ou pelo seu destino ser relativamente perto. Se ele topar te levar peça para ele ligar o taxímetro antes de perguntar quanto é a corrida (isso vai iniciar uma negociação nada vantajosa para você). Confira seu troco, não só em valor, veja se não tem notas falsas no meio.

Dicas: pergunte no seu hotel ou hostel o valor médio da corrida, assim saberá quanto deve pagar caso seja preciso negociá-la. Verifique opções alternativas (estação de metrô ou ponto de ônibus mais próximos) antes de sair, caso nenhum taxi queira te levar. Sempre tenha o seu endereço escrito em chinês (peça ajuda para o hotel ou hostel), os taxistas não lêem letras romanas. Evite usar notas de valor alto, tenha dinheiro trocado.

 

 

6. A educação dos chineses

Se você está preocupado com o que vai comer na China, te digo que você também deve se preparar para a educação dos chineses. Os padrões são bem diferentes do brasileiro e isso pode chocar um pouco, mas lembre-se que você está no país deles e não adianta reclamar, xingar ou se estressar. É preciso um pouco de paciência sim, então prepare-se psicologicamente antes de ir!

Os chineses são barulhentos. Falam super alto e as vezes parecem estar brigando um com o outro, mas eles estão apenas conversando (ou as vezes estão brigando mesmo, não entendo o que eles falam).

Eles escarram e cospem no chão, desde que seja um local aberto como ruas ou parques. Em lugares fechados, como aeroportos ou museus, eles continuam escarrando, mas cospem no lixo. Arrotar também é algo normal, seja na rua, no restaurante ou dentro do elevador.

As filas até existem, mas não são respeitadas. Se você bobear alguém vai passar na sua frente, isso quando não te empurram. Eu era a primeira de uma fila para pegar um trenzinho dentro de um parque e a chinesa atrás de mim me empurrou e saiu correndo para pegar o melhor lugar primeiro. Aliás, ser empurrada é coisa comum, principalmente em lugares com muita gente e muito movimento. Ah! E eles adoram fazer filas bem apertadas, daquelas que você sente os peitos da mulher de trás encostando nas suas costas (urgh!) ou a mala batendo no seu pé (nos aeroportos).

Não se assuste se você estiver em uma loja vendo uma roupa e alguém a tirar da sua mão para ver também, provavelmente você tem bom gosto e estava vendo algo bonito (melhor pensar assim!). Se a pessoa não gostar ela pode te devolver (ou não) a roupa para você continuar olhando.

Se assim como eu, você odeia cheiro de cigarro, prepare-se para prender a respiração ou aprender a aturá-lo. Os chineses fumam muito e em qualquer lugar, o que inclui dentro de restaurantes e banheiros públicos. O único lugar em que eu não senti cheiro de cigarro foi dentro do metrô.

 

7. Não confie 100% no inglês

Sabe aquela história de que inglês é língua universal e que você pode se comunicar em qualquer lugar do mundo? Na China não é bem assim.

Existem sim pessoas que falam inglês bem, geralmente são vendedores. Tudo é uma questão de sobrevivência, ou eles falam inglês ou não vendem. Se você contratar um tour em inglês provavelmente conseguirá se comunicar com seu guia também.

Mas é óbvio que você consegue usar o inglês em lugares como aeroportos internacionais, hotéis e grandes restaurantes, certo? Pasmem, mas não! Eu não mochilei na China, tive quase uma vida de princesa com bons hotéis e bons restaurantes, mas mesmo assim a comunicação não foi fácil. Junte isso ao fato de que chineses não são as pessoas mais solicitas e educadas e… já entendeu, né? Mas com sorte, se a pessoa que está te atendendo não te entender ela vai chamar alguém que tenha um inglês melhor que o dela.

Como disse nos outros tópicos, taxistas não falam inglês. Em restaurantes locais ninguém fala inglês (e muitos tem o menu só em chinês mesmo). Policiais não falam inglês. Prepare-se para usar o mimiquês (ou aprenda/viaje com alguém que fale chinês).

 

8. Sites bloqueados

Se você é uma pessoa online uma das primeiras coisas que vai perceber (ou provavelmente já saiba disso) é que muitos sites são bloqueados. Facebook, Dropbox e todos do Google fazem parte do pacote. É possível viver sem Facebook, mas não ter acesso a e-mails e arquivos durante uma viagem muitas vezes pode ser um problema, então tenha isso em mente e planeje-se antes de ir. Não tive problemas para acessar Hotmail e o Gmail funciona em apps para smartphone.

Existem sim formas de burlar o sistema. Usando determinados endereços de URL é possível ter acesso, mas esses sites mudam constantemente, pois são bloqueados depois de algum tempo. A melhor forma é acessar via VPN e existem formas pagas e gratuitas de se fazer isso. Provavelmente você vai precisar baixar um app no seu smartphone ou instalar um programa no seu notebook e o acesso a esses sites é bloqueado na China, portanto instale tudo o que for preciso antes de entrar no país.

Se você vai para Hong Kong, Macau ou Taiwan, não se preocupe. Apesar de fazerem parte da China, a administração desses lugares é diferente e o acesso é normal.

 

9. Tenha sempre um pacote de lencinhos

Garanto que vai ser super útil! Os banheiros públicos raramente tem papel higiênico e a maioria deles são naquele modelo asiático – um buraco no chão. Em alguns lugares é possível encontrar as 2 opções e para sua sorte a privada geralmente não faz muito sucesso por lá (sim, eles preferem o buraco).

Restaurantes locais raramente vão por um guardanapo na sua mesa, se você pedir pode ser que seja cobrado por isso. Os restaurantes ocidentais tem guardanapos grátis.

 

10. A culinária chinesa

A principal preocupação das pessoas que pretendem ir a China é a comida. Não é o fim do mundo, mas também não é o melhor deles (foi o que eu achei). Eu adoro comida asiática e, sinceramente, eu esperava mais da comida chinesa.

A principal dificuldade de comer na China está na comunicação, minha opinião. Muitos restaurantes tem menus apenas em chinês e saber o que escolher se torna tarefa quase impossível. Alguns até tem fotos nos cardápios, mas não dá para saber exatamente o que é (pode ser carne de vaca ou de cachorro, por exemplo). O mesmo vale para comida de rua, se você gosta de se aventurar e experimentar coisas diferentes, vai se divertir por lá.

Fui em alguns restaurantes locais com menu em inglês, mas não foram as melhores refeições que tive. Não foram ruins, mas esperava mais sabor. Os dumplings são muito bons! Comi aos montes por lá.

Os famosos espetinhos de escorpião, grilo, aranha e outros insetos existem, mas não são comuns e não fazem parte da culinária do dia-a-dia. Em 20 dias pelo país eu não os encontrei. Espere ver pés de galinhas, espetinho de pombo ou pratos feitos com todo tipo de vísceras. Confesso que esses não abrem meu apetite.

Bom, essa é a minha opinião. Tem quem adore a comida de lá! Em último caso, existem  restaurantes ocidentais. Comi massas excelentes na China!

Comida de rua: pombo

 

 

The Author

Patricia

Patricia

Patricia é educadora de formação, marketeira de profissão e viajante por paixão. Amante da natureza, de aventuras, da cultura asiática e de causas sociais, reside em São Paulo, mas já morou no Japão, na Austrália e no Chile, já deu uma volta ao mundo e está sempre em busca de boas recordações para adicioná-las à sua bagagem de memórias.

19 Comments

  1. 22/12/2014 at 18:11 — Responder

    Esse ano estive na China e pude comprovar o quão sua vida pode ser difícil devido ao número 7. Eu viajei mais no interior do sudoeste e o que eu não esqueço é de pegar o trem que entendi que era “standart” mas na verdade era “standup”…! Pra 14 horas de viagem!

    • 24/12/2014 at 18:05 — Responder

      Que ótima história para contar Gusti! Perrengues de viagem sempre aparecem, imagino que sua viagem não tenha sido tão confortável, mas faz parte.

  2. Celso
    19/05/2015 at 20:33 — Responder

    Eu fui a China este ano em Abril, fiquei 10 dia em Xiamen no sul da China e Pequim, sem falar inglês e mandarim, fiz todos os passeios em Pequim,( muralha da China, cidade proibida, praça da paz Celestial e vários outros, almocei nos restaurante e comidas maravilhosas, não tive dificuldades.
    Os remédios, as barras de cereais que levei, voltaram do mesmo jeito que foram.
    A diferença que percebi no que li na internet, é que eles fumam muito, o transito caótico, buzinam o tempo todo e os motociclistas não usam capacete mas eles se entendem na culturas deles, pois não vi nenhum acidente e nem uma briga no transito se fosse em São Paulo tudo seriam diferente.
    Todos os pontos turístico são completamente cheios de chineses, eles adoram viajar e os lugares que passei todos limpos.
    Foi uma viagem maravilhosa e inesquecível o que mais incomodou apesar de tudo , foi a distancia, foram 38.000km de ida e volta e 28 horas de voo na ida e 34 na volta com 3 conexões, muito cansativo.
    Pra quem tem oportunidade como eu, vale muito a pena essa aventura e pra quem curte lugares histórico, china muito lindo.

    • 20/05/2015 at 14:30 — Responder

      Celso,

      Muito bacana sua experiência! A China realmente tem coisas incríveis e o choque cultural é inevitável. O trânsito é mesmo caótico para gente (mas eles se entendem entre eles) e achei o ar bem poluído. Também não tive dificuldades em Shanghai e Pequim, mas confesso que sofri um pouco com a comida, não por ser ruim, mas por não saber escolher.

  3. 20/02/2017 at 20:55 — Responder

    Muito bom.É bom saber que determinados sites na CHINA são bloqueados para que se haja uma certa precaução antes de chegar lá.

    • 22/02/2017 at 11:56 — Responder

      Vale se planejar sim, para não ficar sem email e sem arquivos importantes. =]

  4. Israel dos Santos
    28/05/2017 at 12:48 — Responder

    Muito bom a dicas
    Quanto é o mínimo necessário de dinheiro em espécie U $ para entrar na china? ?

    • 01/06/2017 at 12:44 — Responder

      Acho que não há exigência de comprovar isso. Pelo menos para mim não pediram essa informação.

  5. Silvio
    31/07/2017 at 03:20 — Responder

    Estou por aqui a 50km de Yinchuan…não precisa comprovar grana, exigem apenas (imigração) o local que ira ficar (hotel…hostel…)
    cheguei a uma semana e fico ate começo novembro a trabalho…no meu caso o problema é o isolamento…sem opção de comida…como o que eles comem e meu Deus!!! como gostam de pimentaaaaaa…rs
    Normal a gritaria…rs
    Abraços!!!

    • 01/08/2017 at 23:01 — Responder

      Obrigada por compartilhar sua experiência, Silvio.
      Tem regiões que comem muita pimenta mesmo. A gritaria acho que é geral. hahaha
      Esses choques culturais são super interessantes!

  6. Elisa Wan Der Ley
    28/09/2017 at 13:30 — Responder

    Adorei as dicas!!! Minha irmã está indo para a Canton Fair, daqui a 15 dias, e estou tentando ajudá-la pegando dicas e lendo sobre a experiências de viagens de outras pessoas. Teria alguma dica sobre chip de celular? Agradeço desde já! Abs

    • 10/10/2017 at 21:58 — Responder

      Elisa,

      Fico feliz em saber que ajudei! =]
      Eu não usei chip de celular na China, mas sei que os da EasySim4U funcionam por lá (apenas dados).
      Vale lembrar que na China continental muitos sites e aplicativos são bloqueados, entre eles Google e Facebook.

      bjo,

  7. 17/11/2017 at 10:08 — Responder

    A irmã do Fábio chegou da China semana passada.
    Ela esteve em Beijing a trabalho, 3 dias inteiros lá (apenas)…
    Meo Deosss, ela chegou contando cada perrengue!!!

    Ela sofreu muito pra comer! Ela não encontrava muitos restaurantes na via que estava hospedada, e os poucos que encontrou, eram todos com cardápio em Chinês.

    Também não conseguia sacar no ATM pq era em Chinês.
    Sentiu muito a poluição. Por fim ela já estava se sentindo tão mal (estresse) que foi parar no hospital, achando que estava tendo uma trombose, horas antes do horário de voo de regresso ao Brasil. Mas não era nada tão grave…tadinha! rsrs

    Tive que vir correndo pesquisar sobre o turismo no local, pois já estava quase cortando da lista! hahahaha…

    É, precisamos de uma preparação forte para ir praí. Mas não descarto.

    Beijos, Pati!

    • 18/11/2017 at 00:57 — Responder

      A China exige um certo preparo psicológico mesmo. É um choque cultural muito grande.

      Eu acho que a comunicação é um fator que conta muito por lá. Qualquer outro idioma que não seja mandarim não ajuda muito, então quem fala a língua local tem uma vantagem enorme. Isso ajuda muito na hora de comer, de pegar um ônibus, de perguntar direções…

      A poluição é fato. Dá pra ver uma camada cinza no horizonte. Mas o que mais me incomodou lá foi a falta de educação. Eles são grossos, cospem no chão, arrotam no elevador e filas não servem pra nada. E é normal ser assim, é a cultura deles e quem visita tem que aceitar isso (por mais difícil que seja).

      Ainda assim, a China guarda cantinhos incríveis e que merecem ser conhecidos. Muita história e muita coisa interessante. É um país gigante e eu gostaria de voltar para explorar outros lugares, especialmente as montanhas. <3

  8. Joel Ricardini
    04/07/2018 at 13:53 — Responder

    Já escapei por duas vezes mas agora não tem jeito, vou ter que encarar e as suas dicas me ajudarão bastante.

    • 11/07/2018 at 00:15 — Responder

      Que bom saber que estão ajudando, Joel! =)

  9. david
    02/04/2019 at 20:37 — Responder

    olá minha amiga estou muito ansioso para ir pra china comprar papel não falo inglês ,gostaria de contratar um interprete português para o chines quero ir fechar negocio em fabrica compra conteiner cheio em hon kong qual a dica ,queria já comprar aqui mais tenho medo quero ver a fabrica de perto ve s realmente existe abraço

  10. jaira maria de jesus
    22/06/2019 at 20:04 — Responder

    Um dos meus maiores sonhos é conhecer a china acredito eu que um dia eu irei desfrutar desde magnifico lugar. sei que vai ser dificil pois não tenho muitas condições financeiras más quero acreditar nesta frase… tudo é possivel ao quer crê … PARABÉNS para todos vocês que foram.

    • 06/09/2019 at 19:36 — Responder

      Jaira
      Acreditar que é possível é o primeiro passo! =)

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *